Como garantir a integração do funcionário PCD na empresa? Entenda!

17 de janeiro de 2022

A pessoa com deficiência enfrenta vários desafios em sua jornada profissional. A inclusão é, muitas vezes, tratada de forma rasa ou até mesmo equivocada, gerando uma série de empecilhos para o funcionário PCD.

Para transformar esse cenário, não basta pensar apenas na integração de um novo colaborador. A empresa deve se preparar de forma mais ampla, criando um ambiente inclusivo em todos os seus processos. Continue sua leitura e saiba mais sobre o assunto!

Por que é importante planejar a integração do funcionário PCD?

A Lei de Cotas e a Lei Brasileira de Inclusão são algumas das medidas que abordam os direitos das pessoas com deficiência, inclusive no âmbito profissional. Seu papel é fundamental para nossa sociedade, mas não basta se ater a elas para se considerar uma empresa inclusiva.

A verdade é que as relações profissionais e sociais ainda são, em grande parte, permeadas por forte discriminação. Isso se manifesta de formas mais claras ou mais sutis, mas sempre leva à desumanização do indivíduo. O preconceito se encontra em situações como: 

  • quando se contratam PCDs apenas para cargos de baixo nível hierárquico;
  • quando um funcionário é contratado, mas não recebe funções dignas ou não tem tantas chances de crescimento quanto os outros;
  • quando a empresa contrata apenas quem tem “deficiências mais leves”;
  • quando os colegas e os gestores lidam de forma inadequada com a pessoa, infantilizando-a ou excluindo-a devido à sua deficiência.

Esses são apenas alguns exemplos. O fato é que esse tipo de coisa impede a verdadeira integração, pois a pessoa não é respeitada e suas potencialidades são desprezadas. 

É preciso desconstruir o pensamento capacitista, assim como os demais preconceitos em relação à diversidade. A empresa deve reavaliar suas condutas, seus valores e seus processos, de modo que cada indivíduo tenha as condições adequadas para mostrar seu potencial. Por envolver tantos aspectos, um bom planejamento é essencial.

Como fazer a integração de pessoas com deficiência na empresa?

A empresa que valoriza a equidade, criando condições justas para o trabalho, só tem a ganhar. Todos passam a exercer suas habilidades e competências da melhor forma, tornando os times mais potentes. As várias perspectivas se complementam — gerando criatividade e inovação — e o ambiente se torna mais saudável, já que o preconceito é combatido. 

Isso vale para a valorização da diversidade como um todo, não apenas para pessoas com deficiência. No entanto, essas últimas são nosso foco no post de hoje, então confira a seguir algumas dicas para sua integração!

 Analise a cultura organizacional

A desconstrução do preconceito e a inclusão devem ser parte da cultura de uma empresa, integrando os seus valores e as políticas. Eles devem estar presentes no dia a dia e na mentalidade do negócio, sendo levados em conta nos diferentes processos e nas tomadas de decisão.

Avalie sua cultura e observe se o assunto é tratado da melhor forma. Analise também a situação atual da empresa, como os preconceitos existentes na prática, o nível de satisfação dos funcionários PCD, a mentalidade dos gestores e dos colegas, entre outros pontos. Assim, será possível identificar o que deve ser trabalhado e traçar as estratégias adequadas.

Busque e promova conhecimento 

Os preconceitos com PCDs ainda estão muito enraizados em nossa cultura. Acabamos reproduzindo-os mesmo que de forma inconsciente, reforçando ações que limitam e desumanizam. Para alterar isso, é preciso se informar e desconstruir ideias prévias.

É preciso entender o capacitismo e suas manifestações. Muitas vezes, por exemplo, tratamos as pessoas como “super-heróis”, especiais ou angelicais, enxergando isso de forma positiva. Na realidade, porém, essa é apenas mais uma forma de diferenciar e não as tratar como humanas, assim como qualquer outra.

Estude o assunto para além do senso comum e de visões generalistas. Escute pessoas com deficiência que abordam o tema e ajude a difundir o conhecimento na empresa. É essencial capacitar a liderança para olhares mais conscientes. Além disso, pode ser uma boa ideia a formação de um conselho PCD, com profissionais com deficiência que ajudarão a adequar os processos.

Ofereça planos de carreira adequados

O plano de carreira de cada funcionário deve se adequar às suas particularidades, respeitando necessidades e ajudando a explorar todo o seu potencial. É assim que a empresa atinge sua maior potência, pois todos trabalham da melhor forma, visualizam propósito e sabem que podem crescer. 

Também é preciso levar em conta os processos de recrutamento e seleção. Eles não devem se prender a avaliações que favorecem apenas pessoas dentro dos padrões, mas sim valorizar as habilidades e competências de cada um. 

É importante, ainda, considerar questões sociais ao elaborar critérios. Devido ao preconceito, os candidatos podem não ter passado por experiências prévias, por exemplo. Isso não significa que não estão aptos ou não são bons profissionais.

Fique atento à acessibilidade 

A acessibilidade muitas vezes é vista de forma generalista, limitando-se apenas a elevadores e rampas. Isso é, com certeza, fundamental, mas é preciso pensar além para tornar a empresa acessível. Deve-se mapear barreiras que limitam ou prejudicam os funcionários de alguma forma, investindo nas adaptações necessárias.

A acessibilidade deve ser contemplada na estrutura, na comunicação, na gestão, nas atitudes e nas políticas corporativas. Ela vai desde mesas na altura adequada e barras nos banheiros, até o combate ao preconceito e a presença de intérpretes de libras no dia a dia. Vale lembrar que a empresa deve estar de acordo com a Norma Técnica Brasileira 9050.

Qual é a importância de cuidar da saúde dos colaboradores?

Em primeiro lugar, a deficiência não deve ser confundida com doença. Promover a saúde é uma missão da empresa com todos os funcionários, não apenas para as PCDs. Questões como a ergonomia ganham destaque quando falamos desse público, mas são importantes para todos, pois permitem trabalhar com condições fundamentais para o bem-estar e a qualidade de vida.

Atentar-se ao bem-estar físico e emocional de seus colaboradores é essencial para um bom clima organizacional e o alcance de melhores resultados. Você já deve ter ouvido falar na relação entre alimentação e produtividade, mas a verdade é que o cuidado em todos os âmbitos é fundamental, sendo parte das responsabilidades do negócio.

Como cuidar da saúde do colaborador? 

Existem várias maneiras de investir na saúde. A ergonomia é uma necessidade básica nesse sentido, devendo ser estudada e aplicada corretamente. Para além disso, você pode oferecer práticas como a ginástica laboral, por exemplo, que ainda contribui para a socialização e a integração.

Oferecer um bom plano, com serviços médicos e psicológicos de qualidade, é outra grande estratégia. Os avanços da tecnologia na saúde já permitem, inclusive, a realização de consultas online e outros serviços virtuais, o que pode fazer toda a diferença para quem tem dificuldades de locomoção, por exemplo.

Agora você já sabe o que é necessário para a integração do funcionário PCD, além de dicas que contribuem para a empresa como um todo! Esperamos que tenha gostado e que seu negócio ajude na construção de um mundo mais inclusivo.

O que achou do conteúdo? Nos siga no LinkedIn para mais conhecimentos!

Panorama sobre os custos da obesidade para o sistema de saúde brasileiro