[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Diante da perda de empregos, do fechamento de escolas e de outras perturbações provocadas pela COVID-19, milhões de brasileiros estão em casa e não param de se perguntar se suas vidas serão as mesmas após esta crise.

Ninguém sabe quanto tempo o isolamento vai durar. Mas se sua família perdeu parte ou toda a renda, certamente a impressão é que pode parecer uma eternidade. Sabemos que são tempos difíceis, mas aqui vão algumas dicas e estratégias que podem ajudar.

Examine suas dívidas e as opções de pagamento

Para tentar amenizar o prejuízo, diversos bancos anunciaram a prorrogação dos vencimentos de dívidas para pessoas físicas e micro e pequenas empresas. Outras instituições reduziram a taxa de juros nas linhas de crédito e possibilitaram a solicitação de pausa estendida para até duas prestações dos contratos habitacionais. Por isso, se for adimplente e sua situação exigir um ‘congelamento temporário’ dos pagamentos, entre em contato com sua agência bancária e veja como eles podem te ajudar.

Outro esforço para o enfrentamento da pandemia é o do governo que prevê a suspensão da cobrança de contas básicas durante a crise. Aluguéis, execuções financeiras com ordem de despejo e até multas de trânsito poderão ficar isentos da cobrança durante a decretação de estado de calamidade pública, como o atual. Todas as matérias estão em Plenário, onde aguardam o prosseguimento da tramitação.

Ainda no âmbito público, outro projeto é o da criação da Tarifa Social Emergencial de água, luz e esgoto com anistia integral dos pagamentos por 90 dias, e proibição de cortes durante a vigência de estado de calamidade pública nacional. Não vai pagar a conta quem consumir até 20 metros cúbicos de água por mês e até 200 quilowatts hora de gasto mensal de energia elétrica.

Reveja seus ativos

Agora é hora de contabilizar cada recurso disponível. No início deste mês o presidente Jair Bolsonaro sancionou um benefício emergencial que será pago por três meses em razão da crise econômica relacionada à pandemia. Trabalhadores autônomos, informais, desempregados e contribuintes individuais do INSS e MEI’s enquadrados nas condições exigidas pela administração pública, serão beneficiários desse auxílio.

O dinheiro vem em boa hora para muitos brasileiros que contarão com um fôlego extra para arcar com a manutenção das contas da família e garantir a compra de itens essenciais como alimentos e medicamentos.  Cada casa poderá contar com até duas pessoas acumulando o auxílio, desde que ambas se enquadrem nas regras estabelecidas.

Mas se o seu caso é outro, como ter perdido o emprego durante a pandemia, por exemplo, não se desespere. Você está amparado. Os direitos dos trabalhadores demitidos sem justa causa são iguais aos que eles tinham antes da crise: 13º salário proporcional aos meses trabalhados, férias proporcionais, multa de 40% do FGTS, aviso prévio de 30 dias, mais 3 dias por ano trabalhado e direito ao seguro-desemprego. Quando o aviso prévio é indenizado, a empresa tem de pagar a verbas rescisórias em dez dias corridos a partir da data da demissão. Já se o trabalhador cumprir o aviso prévio, a empresa tem 30 dias corridos para o pagamento.

Depois de explorar as opções acima mencionadas, faça uma lista dos recursos disponíveis dentro de casa como conta poupança e / ou fundo de emergência. Não se esqueça de fontes menores de fundos. Você também pode resgatar recompensas de programas de pontos e planejar a melhor maneira de usar esse benefício. Caso tenha pago por algo antecipadamente, como uma viagem por exemplo, veja se é possível pedir o reembolso.

Poupe o orçamento existente

Depois de saber quanto dinheiro você terá à disposição, comece a procurar maneiras de fazê-lo durar. Algumas de suas despesas relacionadas ao trabalho já podem ter diminuído, como roupas e transporte.

Além disso, considere pausar ou eliminar serviços de assinatura. É possível que nem tenha percebido, mas planos de entrega de refeições, streaming de músicas e filmes, clubes de vinho ou outras caixas que receba mensalmente em casa e aplicativos de bem-estar podem estar fazendo um grande estrago no orçamento. As pessoas tendem a subestimar muito o custo real destes itens, de acordo com uma pesquisa da empresa de consultoria West Monroe Partners, ou até mesmo se esquecem de que estão pagando por eles.

Outra medida é reservar uma hora para analisar todos os gastos do cartão de crédito e extratos bancários. Você não precisa cortar tudo, mas pense na frequência com que utiliza cada serviço e veja se vale a pena mantê-lo.

Seja criativo na cozinha.

Diluído ao longo do mês a entrega de comida nem parece um gasto a ser considerado, mas acredite, cozinhar suas refeições pode ajudar, e muito, a economizar e manter o orçamento em dia. Não sabe como? Faça uma pesquisa na internet e comece com receitas fáceis para iniciantes. Certos itens de consumo diário como sucos, comida para bebê, pizza, misturas fáceis para assar e molhos custam muito caro, mas podem ser facilmente substituídos por versões caseiras.

Cuidado com os preços durante a pandemia

Alguns vendedores estão se aproveitando da atual situação de crise para aumentar seus lucros. Diversos itens da cesta básica subiram de preço entre 30% e 75% nos meses de Março e Abril. Outros artigos essenciais neste momento, como os produtos de limpeza e higiene, também ficaram mais caros. A Fundação Procon tem atuado fortemente para evitar que casos como estes se mantenham. Muitas empresas estão sendo notificadas e deverão prestar esclarecimentos, mas enquanto a situação não se normaliza, o que vale é se precaver.

É fácil identificar preços ultrajantes, mas se não tiver certeza, pesquise no Google o quanto o item que quer adquirir deve custar. Outra opção é utilizar aplicativos que comparam preços. Pelo histórico é possível saber se o produto está com um custo atrativo.

Por fim, embora não saibamos como a economia irá progredir, podemos tentar mitigar nossas perdas por meio de um planejamento inteligente e acesso aos recursos disponíveis. Quanto mais cedo começar, melhor será a longo prazo.

Revisado clinicamente em Abril de 2020.

Fontes:

Karla Mamona. Exame On-line. 20 de Março de 2020. “Coronavírus: veja o que bancos e fintechs estão oferecendo aos clientes.”

Aline Guedes. Agência Senado. 23 de Março de 2020. “Projetos preveem suspensão da cobrança de contas básicas durante crise.”

Agência Câmara de Notícias. 02 de Abril de 2020. “Conheça as regras do benefício emergencial de R$ 600.”

Marcelo Mascaro, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista. Exame On-line. 09 de Abril de 2020. “Quais são os direitos de quem for demitido durante a pandemia?”

Laura Cassano. G1.07 de Abril de 2020. “Procon-SP notifica fornecedores de alimentos que aumentaram preços em até 75% durante pandemia de coronavírus.”[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]