Como cuidar dos membros mais velhos da família em meio ao surto da COVID-19.

2 de abril de 2020

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Os idosos estão entre o grupo de risco e têm maior chance de desenvolver complicações graves ou mortais com a COVID-19. Para alguns jovens, essa notícia pode ser reconfortante, mas para milhões de brasileiros que cuidam de entes queridos em idade avançada, essa atualização significa que é hora de ser proativo.

Segundo o Ministério da Saúde, todos os estados brasileiros apresentam casos de COVID-19 e o distanciamento social é a melhor alternativa para a redução da disseminação da doença e combate à crise. Agora é a hora de se educar, proteger seus familiares e divulgar fatos, não desinformação.

Os maiores fatores de risco para complicações com o coronavírus são as doenças cardiovasculares, doenças pulmonares, DPOC, hipertensão, diabetes e câncer. Infelizmente, quanto mais velha a pessoa for, maior a probabilidade de ter uma ou mais dessas condições. Veja como se proteger e cuidar dos parentes mais velhos.

Quais precauções extras devo tomar?

Evite aglomerações, especialmente se for idoso ou tiver um familiar em idade avançada em casa. Apesar de algumas regiões já estarem reduzindo a quarentena, lembre se que essa é uma das maiores armas existentes para reduzir o risco de proliferação da doença. Não saia de casa nem deixe que os mais velhos o façam. Caso precise abastecer sua casa com alimentos ou medicamentos, tente optar pela entrega do supermercado ou farmácia. Se a entrega não for uma opção, verifique qual adulto da família tem melhores condições para sair e comprar suprimentos.

Além disso, aqueles com alto risco devem evitar visitar pessoas com doenças respiratórias agudas (por exemplo, febre, tosse, dificuldade em respirar). Pratique o distanciamento social de pelo menos 1 metro e meio de distância quando estiver perto de outras pessoas em público.

Como proteger os entes queridos que vivem em um lar de idosos ou em instituições de assistência à vida?

Algumas casas de assistência fecharam suas portas a título de emergência em um esforço para impedir a propagação do vírus. Isso significa que muitos familiares não estão mais permitidos visitar seus entes queridos. Se for este o seu caso, garanta que seu parente esteja bem. Pergunte à administração que medidas preventivas estão sendo tomadas além dessa e sugira que algum cuidador viabilize um encontro virtual frequente com seu ente querido. Assim ele não se sentirá isolado e você poderá verificar se as devidas precauções estão sendo tomadas.

Posso falar para o meu familiar viajar até o surto passar?

Os idosos devem evitar o transporte público, principalmente porque, com base em um estudo publicado no periódico The New England Journal of Medicine, o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH) estima que o SARS-CoV-2 possa viver em cobre por até quatro horas, em papelão por até 24 horas e em plástico e aço inoxidável por 48 a 72 horas. Isso significa que, se uma pessoa infectada tocar em um corrimão de ônibus por exemplo, o vírus ainda poderá estar presente no objeto de dois a três dias depois do contato. Ele também pode permanecer no ar depois que uma pessoa infectada sair de um local fechado, como um avião, por aproximadamente 3 horas. Mesmo ainda não estando claro em que quantidade isso ocorre, é preciso ficar atento e se prevenir.

A COVID-19 provou ser muito eficaz na propagação. Além disso, nem todos aqueles que estão infectados apresentam os sintomas da doença, tornando possível espalhar o vírus antes mesmo que os primeiros sinais da infecção apareçam. Isso significa que um viajante próximo pode estar contaminado e nem saber, o que também quer dizer que ele pode espalhar o vírus para outras pessoas, como seu familiar. No momento, estima-se que, em média, cada indivíduo infectado repasse o vírus para duas ou três outras pessoas. Por isso a restrição da circulação é a melhor alternativa contra a propagação e contaminação pelo coronavírus.

Meu filho está aparentemente saudável. Posso deixá-lo com os meus pais idosos?

Não, pois as crianças parecem desenvolver formas leves ou muito leve dos sintomas, e por isso podem transmitir a doença aos avós involuntariamente. Se você mora em uma área em que sabe que há disseminação pela comunidade, convém considerar não deixar as crianças próximas dos avós.

O objetivo agora deve ser a precaução: não espere para começar a tomar medidas preventivas. Limite o máximo de visitantes externos, limpe as áreas comuns e os itens mais usados com desinfetantes bactericidas.

Também é aconselhável levar seu parente para tomar uma vacina contra a gripe. A imunização não protege contra o coronavírus, mas é uma maneira de resguardar os mais vulneráveis contra doenças respiratórias causadas pelo Influenza A e B, outro causador de insuficiência respiratória. Além disso, fique atento as informações do seu município. A campanha vacinal iniciou no dia 23 de Março e funcionará em três etapas com datas específicas para diferentes públicos.

Se você suspeitar que seu parente pode estar doente

Qualquer pessoa que acredite estar infectada ou que tenha parentes com suspeita deve tomar medidas imediatas de isolamento para evitar espalhar a doença para outros.

A qualquer sinal de infecção, principalmente falta de ar e febre, ligue para o seu médico e obtenha instruções de como proceder. Não negligencie esses sintomas. Certifique-se de manter contato com o médico regular de seu familiar, principalmente se a condição de saúde de seu parente idoso mudar de alguma forma.

Revisado clinicamente em março de 2020.

Fontes:

Plataforma Integrada de Vigilância em Saúde do Ministério de Saúde. “Notificação de casos de doença pelo coronavírus (COVID-19)”.

Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC). “Coronavírus 2019 (COVID-19): Prevenção e tratamento.”

Decreto 64.881 assinado pelo governador João Doria (PSDB), publicado no Diário Oficial de 23.03.2020.

Anthony S. Fauci, MD, H. Clifford Lane, MD, e Robert R. Redfield, MD “Covid-19 – Navegando no desconhecido”. New England Journal of Medicine. Fevereiro de 2020.

A.C.Camargo Câncer Center. “Campanha nacional de imunização deve proteger os idosos na primeira fase da vacinação”.

Nações Unidas. “Emergência coronavírus: eis o que sabemos até agora”.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]