Como a COVID-19 afeta o cérebro

By 10 de agosto de 2020Covid 19

Muitas pessoas com a doença perdem o paladar ou o olfato. Isso aconteceu com alguém próximo a você? Aprenda aqui sobre esses e outros possíveis efeitos neurológicos relacionados ao coronavírus.

À medida que cientistas de todo o mundo continuam aprendendo sobre o novo coronavírus, uma coisa se torna cada vez mais clara: ele não ataca apenas os pulmões. O SARS-CoV-2 pode trazer danos ao coração, rins e também ao sistema nervoso central.

Além dos sintomas respiratórios comumente relatados entre pacientes, os médicos têm documentado mais e mais casos em que notam a perda de sentidos como o paladar ou olfato. Esses efeitos neurológicos podem se desenvolver dias antes da tosse, febre ou falta de ar. E, em alguns casos, não retornam imediatamente após a recuperação.

Outros sintomas neurológicos preocupantes (mais comumente vistos em pacientes com casos graves da COVID-19) são confusão, dores de cabeça, sensação de queimação ou formigamento nas mãos, braços, pernas ou pés, dormência e convulsões.

Os cientistas ainda estão trabalhando para entender como o vírus afeta o cérebro, mas um estudo publicado na renomada revista científica, JAMA Neurology, apontou que mais de 36% dos 214 pacientes em Wuhan, experimentaram sintomas neurológicos durante o curso da COVID-19.

Como o SARS-CoV-2 pode se infiltrar no cérebro

Em geral, infecções virais graves podem afetar o sistema nervoso central. Isso acontece se o vírus danificar a barreira hematoencefálica, uma camada que ajuda a proteger o cérebro de substâncias potencialmente perigosas no sangue, incluindo germes.

Pesquisas sobre como o SARS-CoV-2, em particular, atinge o sistema nervoso central, estão em andamento, mas o coronavírus já foi encontrado no cérebro ou no líquido cefalorraquidiano de alguns pacientes.

Pesquisas sobre outros tipos de coronavírus, como o que causa a síndrome respiratória aguda grave (SARS), que está intimamente relacionada à SARS-CoV-2, também mostram que a infecção pode atingir o cérebro.

Outros efeitos indiretos no cérebro

A inflamação desencadeada pela resposta do sistema imunológico à SARS-CoV-2 também pode afetar o cérebro.

Para algumas pessoas, a COVID-19 desencadeia uma resposta perigosa do sistema imunológico chamada tempestade de citocinas. A infecção pode levar à inflamação que libera uma esmagadora quantidade de proteínas chamadas citocinas.

Normalmente, as citocinas ajudam a coordenar a resposta do corpo à infecção. Mas, em alguns casos, esse equilíbrio se perde, ficando fora de controle e causando mais danos do que benefícios, prejudicando vasos sanguíneos, órgãos e ocasionando coágulos capazes de levar a inchaço e derrames cerebrais.

Pacientes com COVID-19 também podem desenvolver problemas respiratórios graves, privando o corpo do oxigênio necessário. As células cerebrais toleram baixos níveis de oxigênio apenas por um curto período de tempo. Se persistir a escassez, há uma alta possibilidade de lesão cerebral.

Existem evidências ainda de inchaço do tecido cerebral e alguma degeneração de células cerebrais em pacientes que vieram a óbito, mas não está claro se isso ocorreu devido à infecção direta do sistema nervoso central ou à falta de oxigênio.

Em geral, fraqueza e disfunção neuromuscular também são comuns entre pacientes gravemente enfermos ou internados em unidades de terapia intensiva (UTI), o que pode ajudar a explicar os sintomas neurológicos entre aqueles com COVID-19 hospitalizados com infecções graves.

Saiba reconhecer os sinais de alerta

Se você desenvolver sintomas da COVID-19 ou acreditar que pode estar infectado, ligue para o seu médico imediatamente. Entre os sinais de alerta estão:

  • Febre ou calafrios;
  • Tosse úmida ou seca;
  • Falta de ar;
  • Fadiga;
  • Dores musculares ou corporais;
  • Dor de cabeça;
  • Perda de paladar ou olfato;
  • Dor de garganta;
  • Congestão ou coriza;
  • Náusea ou vômito;

O seu médico irá te aconselhar sobre como monitorar seus sintomas, se é possível realizar o tratamento em casa ou se há necessidade imediata de hospitalização para atendimento especializado.

Contudo, se desenvolver sintomas mais sérios com envolvimento cerebral, como um derrame por exemplo, não perca tempo. Vá diretamente ao pronto-socorro. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) lista alguns sinais de alerta que podem ser considerados emergência:

  • Problemas respiratórios;
  • Dor persistente ou pressão no peito;
  • Confusão;
  • Incapacidade de acordar ou permanecer acordado;
  • Lábios ou rosto azulados.

Os sinais de acidente vascular cerebral também não podem ser ignorados. Eles são:

  • Dormência repentina ou fraqueza da face, braço ou perna, particularmente em um lado do corpo;
  • Súbita confusão ou dificuldade para falar;
  • Perda de visão em um ou nos dois olhos;
  • Perda de equilíbrio ou coordenação;
  • Dor de cabeça súbita e grave.

Se desenvolver algum desses sinais, ligue para o 192. Informe que você suspeita ter COVID-19 e não se esqueça de utilizar uma máscara médica antes que a ajuda chegue.

Revisado clinicamente em Julho de 2020.

Fontes:

Wu Y, Xu X, Chen Z, et al. Cérebro, comportamento e imunidade. Março 2020. “Envolvimento do sistema nervoso após infecção por COVID-19 e outros coronavírus.”

Harvard Medical School. “Noções básicas do COVID-19”.

Mao L., Jin H., Wang M. et al. JAMA Neurology. 10 de Abril de 2020.  “Manifestações neurológicas de pacientes hospitalizados com coronavírus 2019 em Wuhan, China”.

Abdul Mannan Baig, Areeba Khaleeq, Usman Ali e Hira Syeda. Neurociência Química ACS. Março 2020. “Evidência do vírus COVID-19 direcionado ao CNS: distribuição de tecidos, interação hospedeiro-vírus e mecanismos neurotrópicos propostos”.

Andreas Raabe, Heimo Wissing, Bernhard Zwissler. Anestesiologia. Abril de 2005.

 “Os danos nas células cerebrais e o S-100B aumentam após lesão aguda no pulmão”.

Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC). “Sintomas do coronavírus”.

Associação Americana do AVC. “Saiba mais sobre o derrame. Sinais e sintomas”.