Por que durante a disseminação da COVID-19 é ainda mais importante manter sua asma sob controle?

By 28 de julho de 2020Covid 19

Se você tem asma ou alguma outra condição respiratória crônica, já deve ter ouvido dizer que está mais exposto as complicações causadas pelo coronavírus que as demais pessoas. Mas o que isso significa exatamente?  Saiba aqui.

Quem tem asma já sabe o que é sentir falta de ar ou dificuldade em respirar, afinal trata-se de uma doença bastante conhecida por provocar deficiência respiratória e deixar os pulmões mais sensíveis, contribuindo para o aumento de crises. O que muitos ainda não sabem é que por causa disso, é comum que indivíduos com o quadro fiquem debilitados e é exatamente aí que mora o perigo.

Como a asma está relacionada ao risco de COVID-19

Primeiro, as boas notícias. Com base no que sabemos até o momento, indivíduos com asma não parecem estar em maior risco de serem infectados pelo SARS-CoV-2 que pessoas sem a condição.

Contudo, a asma pode estar associada a complicações, uma vez que a infecção pelo vírus é confirmada. Isto é particularmente verdadeiro se o nível de gravidade da cronicidade for de moderada a grave. A COVID-19 pode desencadear crises e, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), causar pneumonia e insuficiência respiratória em alguns pacientes.

Um estudo preliminar realizado por pesquisadores da Harvard T.H. Chan School of Public Health (em português Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard) e do Hospital Geral de Massachusetts divulgado em junho de 2020 na conceituada publicação de cunho clínico, The Journal of Allergy and Clinical Immunology (em português Jornal de Alergia e Imunologia Clínica ) apontou que adultos com asma não alérgica (aquela desencadeada por fatores como o clima, exercício ou estado emocional de uma pessoa, por exemplo) que foram infectados com SARS-CoV-2 tinham mais probabilidade de desenvolver infecções graves do que aqueles que tinham outros tipos de asma.

Para o estudo, a equipe examinou dados do Biobank do Reino Unido contendo 492.768 pessoas, incluindo 65.677 com asma. Dos 641 participantes que desenvolveram COVID-19 grave, 67 tinham asma não alérgica e 49 outros tipos. Depois de levar em consideração a idade dos participantes, o IMC e outros fatores de risco, eles descobriram que ter asma não alérgica aumentou o risco de COVID-19 grave em até 48%. O risco saltou até 82% para aqueles que tinham asma combinada com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

Os cientistas apontaram, no entanto, que a asma induzida por alergia (aquela desencadeada por alérgenos comuns, como pólen, ácaros, mofo e pelos de animais, por exemplo) não estava ligada a infecções mais graves por COVID-19.

A idade é outro fator a considerar. Os idosos têm maior probabilidade de desenvolver casos graves de COVID-19 do que crianças e adultos jovens. Dos 19 milhões de adultos nos Estados Unidos com asma, 4 milhões têm 65 anos ou mais e mais de 9 milhões têm idade entre 35 e 64 anos. Ambos os grupos etários têm maior probabilidade de desenvolver COVID-19 grave e complicações.

Não pare de tomar sua medicação para asma

Como os corticosteroides são conhecidos por suprimir o sistema imunológico, muitas pessoas se perguntaram se esse tipo de medicamento para o controle da asma não poderia torná-los mais suscetíveis a COVID-19. Felizmente, não há evidências desse caso.

Também não há evidências de que o uso de corticosteroides (inalatórios ou orais) ou montelucaste aumente o risco de infecção.

Se você tem asma, é importante continuar o tratamento conforme orientação, a menos que seja instruído a fazer uma pausa pelo seu médico. Isso não apenas ajudará a controlar sua condição e reduzir crises, mas também a evitar viagens ao pronto-socorro onde a exposição ao SARS-CoV-2 é potencialmente alta.

Não negligencie qualquer forma de prevenção

Se você ainda não está consciente dos cuidados com a asma, agora é uma boa hora para começar. Faça o possível para manter os sintomas sob controle, evitando gatilhos, tomando os medicamentos conforme prescrito e seguindo o plano de cuidado a risca. Só assim você evitará uma visita indesejada ao pronto-socorro.

Manter a asma sob controle é a coisa mais importante que você pode fazer para reduzir o risco de complicações e isso inclui as relacionadas a COVID-19. Além de seguir seu plano de tratamento, veja aqui algumas dicas simples que podem ajudar:

  • Faça um pequeno estoque de seus medicamentos. É aconselhável obter um suprimento extra, principalmente porque em algumas regiões do país é possível que exista alguma escassez do produto nas prateleiras das farmácias, uma vez que medicações para asma estão sendo muito procuradas por hospitais que tratam pacientes com COVID-19;
  • Fique em contato com seu médico. Certifique-se de discutir quaisquer novos sintomas ou agravantes recentemente notados. Ao ligar para o consultório, se informe sobre a possibilidade de um atendimento via telemedicina;
  • Siga as precauções básicas de saúde pública para evitar contaminação pela COVID-19. Isso inclui o distanciamento social, uso de máscara facial ao sair em público, lavagem correta e frequente das mãos e o não compartilhamento de itens pessoais, como copos, utensílios e toalhas;
  • Evite viagens constantes à farmácia e ao supermercado. Se possível, aproveite o serviço delivery;
  • Não se esqueça da gripe. Infelizmente é possível se infectar com a gripe e a COVID-19 ao mesmo tempo. Por isso, previna-se tomando a vacina contra a gripe, disponível em postos de saúde de todo o Brasil;
  • Mantenha seus pertences e casa desinfetados. Isso inclui a limpeza rotineira de superfícies comumente utilizadas, como celulares, teclados, banheiros e maçanetas das portas. Idealmente, alguém sem asma deve fazer a limpeza, já que o contato com desinfetantes, pode desencadear uma crise. Se isso não for possível, utilize um ventilador para circular o ar de dentro para fora. Outra dica é aplicar os produtos de limpeza em um pano, em vez de borrifá-lo sobre a área a ser limpa;
  • Esteja atento aos familiares ou colegas de quarto. Use o nebulizador se precisar, mas, se possível, tente fazê-lo sozinho (talvez em uma varanda) para reduzir o risco de espalhar agentes infecciosos. O coronavírus pode ser transportado através de gotículas no ar e potencialmente infectar outros.

Monitore quaisquer sintomas

Há alguma sobreposição entre os sintomas respiratórios causados ​​pelo coronavírus e outras condições como resfriados, gripes e alergias sazonais. Por exemplo, uma dor de garganta e dores no corpo podem ser causadas por qualquer um deles. Por isso, em caso de dúvidas, ligue para o seu médico de referência e obtenha instruções.

Algumas pistas que sugerem COVID-19, são a perda de sentido do olfato ou falta de ar. Ainda assim, esses sintomas por si só não fecham o diagnóstico. Outros vírus respiratórios podem desencadear a perda do olfato. E embora resfriados e gripes não causem falta de ar por conta própria, eles podem ser gatilhos para crises de asma, levando a falta de ar. Por isso, se você estiver com problemas para respirar ou desenvolver outros sintomas graves, procure assistência médica imediata. Alguns dos sinais são:

  • Dor persistente ou pressão no peito;
  • Sentido confuso;
  • Lábios ou rosto azulados.

Ligue para o 192 e informe que você tem asma e suspeita ter COVID-19. Se tiver uma máscara médica e não dificultar a respiração, coloque-a antes que a ajuda chegue.

Revisado clinicamente em Julho de 2020.

Fontes:

Z Zhu, K Hasegawa, B Ma, et al. Jornal de Alergia e Imunologia Clínica. 6 de Junho de 2020. “Associação da asma e sua predisposição genética com o risco de COVID-19 grave”;

American Lung Association. 26 de Março de 2020.  “Asma e DPOC: Desmistificando mitos relacionados a COVID-19 com a Dra. Juanita Mora.”;

Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC). “Coronavírus 2019 (COVID-19): pessoas com asma moderada a grave.”, “Dados nacionais mais recentes sobre asma. “, “Planos de ação para asma.” e “Pessoas com asma moderada a grave”;

Colégio Americano de Alergia, Asma e Imunologia (ACAAI). “Asma não alérgica.”, “O que a asma tem a ver com suas alergias? Provavelmente muito. ” e “Informações importantes sobre a COVID-19 para pessoas com asma e / ou alergias. “;

E Pennington. Jornal de Medicina da Cleveland Clinic. 05 de Maio de 2020. “A asma pode aumentar o risco de gravidade da COVID-19.”

American Lung Association. 04 de Maio de 2020. “História principal: COVID-19.”

Colégio Americano de Alergia, Asma e Imunologia (ACAAI).”COVID-19 e asma: o que os pacientes precisam saber.”

Fundação para Asma e Alergia da América (AAFA).  09 de Junho de 2020. “Coronavírus (COVID-19): O que as pessoas com asma precisam saber.”