Você também está sentindo que parou no tempo? Aqui estão algumas dicas para superar essa sensação tão comum durante a pandemia.

By 2 de setembro de 2020Covid 19

Sim, as piadas e memes sobre como nossa noção de tempo ficou distorcida durante a pandemia finalmente começaram a perder seu brilho, E agora, muitos de nós estamos simplesmente procurando uma solução para lidar com isso. Então, como podemos mudar essa sensação desconcertante de que os dias e semanas pararam e recuperar o controle sobre o calendário?

“Quando há incertezas, o tempo parece elástico”, diz Mike Dow, PhD, psicólogo em Los Angeles e autor do livro The Brain Fog Fix. “Nossas rotinas foram afetadas com a disseminação da COVID-19. Nem ao menos temos uma data certeira de quando uma vacina começará a ser distribuída”.

Essa impressão de flutuação livre no tempo tem causado grande ansiedade e elevado os níveis de hormônios relacionados ao estresse como a adrenalina, norepinefrina (também conhecida como epinefrina) e o cortisol. “A adrenalina faz o coração bater mais rápido, a norepinefrina aguça a mente e o cortisol potencializa nossa resposta ao estresse”, explica Dow.

“O tempo parece voar quando estamos nos divertindo, mas tem o efeito reverso ao ser relacionado a um estado de alto estresse hormonal”, diz Dow. Acrescente essa ansiedade corrosiva ao fato de ficarmos longos períodos em casa e as semanas podem se arrastar.

Paralelamente a isso, uma oferta excessiva de entretenimento online da qual não tínhamos tempo para explorar antes da pandemia, se descortina. São tantos filmes e séries à disposição em dispositivos de streaming por exemplo, que é fácil perdermos a noção das horas enquanto consumimos tantos novos conteúdos.

Até por isso, talvez não seja uma surpresa saber que uma pesquisa recente liderada por Ruth Ogden, da Universidade John Moores em Liverpool, na Inglaterra, apontou que para metade de 800 entrevistados, o tempo durante o bloqueio causado pela COVID-19 estava passando rápido demais.

É verdade que a perda da rotina normalmente definida pelo trabalho, escola, eventos sociais e finais de semana nos deixaram sem amarras, mas se você quer reverter essa situação, tente essas dicas para fazer com que os dias que passam se pareçam um pouco mais normais.

Encontre seu próprio fluxo

Quando você está se sentindo relaxado ao fazer algo, seja um trabalho, um projeto criativo ou uma atividade física, é muito mais fácil alcançar um estado de êxtase de tal modo que nem sequer sinta que as horas existem. Essa sensação é o que Dow descreve como “um espaço onde sua inteligência, treinamento e interesses são desafiados apenas no nível certo e a noção de tempo simplesmente vai embora, restando apenas a certeza de que vale a pena viver a vida”.

Esse estado é conhecido como “fluxo”, nome dado pelo psicólogo Mihaly Csikszentmihalyi, PhD, em seu livro best-seller de mesma alcunha. Acessar esse sentimento traz foco para tudo o que você está executando e tem o benefício adicional de fazer as horas voarem, mas no bom sentido.

Contudo, se você é daqueles que tem dificuldade em perder-se em uma experiência imersiva, saiba que não está sozinho. Entre o teletrabalho, o ensino em casa e a compreensão das diretrizes de distanciamento social, há muitas coisas chamando nossa atenção, diz Dow. “Nós sabemos por varreduras cerebrais que quando as pessoas estão ‘multitarefas’, elas na verdade não executam diversas atividades ao mesmo tempo, mas sim realizam uma única função muito rapidamente por vez, fazendo com que o cérebro alterne o foco entre as tarefas de modo dinâmico”, observa ele.

Portanto, quando você está tentando terminar uma reunião virtual, fazer o almoço e seu filho ou outra pessoa significativa pede sua atenção, lembre-se de que tentar atender a todas essas demandas ao mesmo tempo provavelmente te impedirá de entrar em um estado de concentração relaxada.

Tanto quanto possível, busque realizar uma atividade de cada vez. Isso te ajudará não apenas a recuperar o controle sobre sua programação, mas também a melhorar sua produtividade, que alguns pesquisadores sugerem que caia em até 40% quando se está tentando fazer várias coisas ao mesmo tempo.

Mantenha seu sábado e domingo

“Nossos finais de semana não são mais o que costumavam ser”, admite Dow, “mas você pode descobrir algo que os faça parecer fins de semana novamente.”

Tente adotar versões seguras das atividades que você costumava realizar, como juntar-se a amigos para um happy hour na sexta à noite (agora no Zoom) ou jantar em um restaurante agradável (agora em casa, pedindo comida pelo delivery). Traçar uma linha clara entre segunda e sexta-feira e seus dias “de folga” pode fazer com que sua agenda se torne mais precisa e não um emaranhado de dias.

Durante a semana, busque seguir uma rotina matinal similar a de antes da pandemia e tire o pijama para trabalhar. “Por mais bobo que possa parecer, esses pequenos rituais nos ajudam a nos programar e perceber melhor o tempo”, sugere Dow.

É importante, em última análise, lembrar o propósito do final de semana. Entre trabalhar em casa, cuidar dos filhos ou entes queridos e manter tudo limpo, perceba o quão duro você está trabalhando. É preciso um tempo livre. “Há uma razão pela qual oscilamos entre trabalho e recuperação”, diz Dow. “Ter um fim de semana pela frente permite que seu corpo se recarregue.”

Volte a rotina básica

Nem o trabalho, nem a farra até mais tarde na internet devem te manter acordado durante a madrugada.  Tente voltar à rotina pré-pandêmica. Preparar o corpo para uma boa noite de descanso significa garantir que o cortisol diminua e a melatonina, o hormônio que estimula o sono, aumente.

“Se você esteve cronicamente estressado durante estes últimos meses, verá os níveis de cortisol aumentando à noite”, observa Dow. Ler ou assistir às notícias no final do dia pode ser um golpe duplo contra o repouso: não apenas os níveis de cortisol aumentam quando você está ansioso, mas a luz azul liberada por aparelhos eletrônicos reduz os efeitos indutores de sono da melatonina. O triplo golpe? Dormir mal pode, por sua vez, aumentar os níveis de cortisol, iniciando um ciclo vicioso.

Quer voltar aos eixos? Veja aqui algumas dicas para conquistar uma boa noite de descanso:

  • Sempre que possível, saia para a luz natural;
  • Evite cafeína à tarde e nicotina a qualquer hora. Ambos interferem no sono;
  • Deixe de cochilar durante o dia ou faça uma soneca de apenas 20 a 30 minutos à tarde;
  • Deixe o telefone de lado por pelo menos algumas horas antes de ir para a cama.

Enquanto você está tomando sol, faça atividades físicas. Aumentar a frequência cardíaca fornece mais oxigênio para o cérebro, melhora a memória e o pensamento e estimula o crescimento das células cerebrais, sem falar que reduz os níveis de estresse e prepara você para uma noite de sono muito melhor. Mesmo 30 minutos diários de exercícios moderados, como caminhada rápida, são úteis, e você pode dividi-los em pedaços menores de 10 ou 15 minutos, se necessário.

Tão importante quanto todas essas dicas é reduzir outros tipos de excessos, especialmente o álcool. Embora uma ou duas doses de bebida alcoólica à noite pareçam aliviar a tensão, a verdade é que este consumo interfere no sono e faz com que o cérebro secrete mais cortisol, prejudicando a capacidade do corpo de descansar. Ele também é o culpado pelo esgotamento da imunidade, elevando a pressão arterial e aumentando o ganho de peso.

No final do dia, não somos capazes de fazer muito para controlar a loucura do mundo ao nosso redor. Mas, ao reforçar hábitos saudáveis ​​e aplicar uma intenção extra à maneira como estruturamos nossos dias, podemos ter um impacto muito positivo na maneira como o relógio bate dentro de nossas paredes.

Revisado clinicamente em Agosto de 2020.

Fontes:

Joshua Bote. USA Today. 17 de abril de 2020.  “Não sei que dia é hoje? Há uma razão psicológica para isso”.

Harvard Health Publishing. 1º de maio de 2018. “Compreendendo a resposta ao estresse.”

K Van Hedger, EA Necka, AK Barakzai, GJ Norman. Centro Nacional de Informações Biotecnológicas dos Estados Unidos (NCBI). Maio de 2017. “A influência do estresse social na percepção do tempo e na atividade psicofisiológica”.

The Endocrine Society. “O que é adrenalina?” “Norepinefrina.” “O que é cortisol?”

Dra. Ruth Ogden. Universidade John Moores de Liverpool. “Estudo: A experiência do tempo durante o bloqueio da Covid-19”.

PW Burgess. Psychological Research. Agosto de 2000. “O papel dos lobos frontais na multitarefa”.

C Hirotsu, S Tufik, ML Andersen. Sleep Science. Novembro de 2015; 8 (3): 143–152. “Interações entre sono, estresse e metabolismo: das condições fisiológicas às patológicas”.

Q Zhang, M Roche, KW Gheres, et. al. Revista científica Nature. 4 de dezembro de 2019. “A oxigenação cerebral durante a locomoção é modulada pela respiração”.

L Mandolesi, A Polverino, S Montuori, et al. Revista científica Fronteiras da Psicologia. Abril de 2018. “Efeitos do exercício físico no funcionamento cognitivo e bem-estar: benefícios biológicos e psicológicos”.

RC Cassilhas, KS Lee, J Fernandes, et al. Elsevier. 2012. “A memória espacial é melhorada por exercícios aeróbicos e de resistência por meio de mecanismos moleculares divergentes”.

EA Weaver II, HH Doyle. Organização filantrópica americana Dana Foundation. 2 de agosto de 2019. “Como a atividade física afeta o cérebro”.

T Roehrs, T Roth. Instituto Nacional sobre Abuso de Álcool e Alcoolismo dos Estados Unidos (NIAAA). “Sono, sonolência e uso de álcool.”

E Badrick, M Bobak, A. Britton, et al. Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism. Março de 2008. “A relação entre o consumo de álcool e a secreção de cortisol no envelhecimento”.

JN Morey, IA Boggero, AB Scott e SC Segerstrom. “Direções atuais em estresse e função imunológica humana.” Opiniões atuais em psicologia. Outubro de 2015.

JA Whitworth, PM Williamson, G Mangos, JJ Kelly. Jornal acadêmico Saúde Vascular e Gerenciamento de Riscos. Dezembro de 2005. “Consequências cardiovasculares do excesso de cortisol”.

AM Chao, AM Jastreboff, MA White, et al. Centro Nacional de Informações Biotecnológicas dos Estados Unidos (NCBI). Abril de 2017. “Estresse, cortisol e outros hormônios relacionados ao apetite: previsão prospectiva de mudanças na vontade de comer e no peso”.