Ergonomia no home office: quais ações podem ser adotadas?

11 de março de 2021

Ergonomia home officeA pandemia pela Covid-19 nos trouxe desafios inéditos, tanto em nossa vida pessoal quanto na profissional. Para nos adequarmos a ela, modificamos a maneira como nos vestimos, portamos e, também, como trabalhamos. No entanto, embora essas adaptações sejam eficazes contra a Covid-19, elas também apresentam seus próprios desafios. A ergonomia no home office é um deles.

Com a popularização desse modelo de trabalho, estamos passando mais tempo sentados e na frente de computadores e smartphones. Se não tomarmos cuidado com nossa postura e ergonomia, a médio e longo prazo esses hábitos podem trazer prejuízos significativos.

Por isso, cuidar da ergonomia durante o home office é uma tarefa que vem ganhado cada vez mais relevância. Neste artigo, explicaremos por que você deve se preocupar com o tema e como cuidar da ergonomia durante e após a pandemia. Continue lendo para saber mais.

O que é ergonomia?

O termo ergonomia resulta da junção das palavras gregas ergon (“trabalho”) e nomos (“lei natural”). O conceito, surgido no século XVII, compreende o estudo da relação do homem com os equipamentos em seu ambiente de trabalho.

De acordo com o dicionário Michaelis, a palavra era utilizada para descrever a interação homem-máquina até a década de 1970. A partir daí, com o surgimento de aparelhos mais sofisticados, a ergonomia se refere majoritariamente à interação homem-computador. Daí sua importância crescente, com a popularização do home office.

Por que se preocupar com a ergonomia no home office?

Desde a popularização da internet e dos computadores contemporâneos, o trabalho a distância vem crescendo gradativamente. O home office não é exclusivo da pandemia, embora seus índices tenham claramente aumentado durante esse período.

Apesar disso, não há ainda uma definição clara das leis trabalhistas específicas para o home office. De acordo com Ricardo Calcini, professor de Direito do Trabalho, esse modelo de serviço segue as normas do teletrabalho — que, este sim, consta na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

O teletrabalho é caracterizado, segundo o professor, pela “prestação de serviços realizada predominantemente fora das dependências da empresa com a utilização de ferramentas de tecnologia da informação e de comunicação”. Além disso, a Lei nº 12.551/2011 diz claramente que não há distinção entre o trabalho realizado no estabelecimento do empregador ou no domicílio do empregado.

De acordo com essa base legal, portanto, o home office exige os mesmos direitos trabalhistas do trabalho presencial. Isso inclui a responsabilidade do empregador na manutenção da saúde de seus funcionários. Além disso, doenças e agravos derivados de uma ergonomia inadequada podem se caracterizar como doenças ocupacionais ou até acidentes de trabalho.

E, embora a ergonomia pareça uma preocupação excessiva, os números dizem o contrário: de acordo com um artigo da American Family Physician, distúrbios musculoesqueléticos são responsáveis por 33% de todas as doenças ocupacionais. Grande parte das condições que entram nessa categoria (como lombalgias e dores articulares) podem ser agravadas por uma ergonomia inadequada.

Dito isso, o estímulo à ergonomia correta durante o home office é mais do que um investimento em saúde: é também uma maneira de reduzir gastos na saúde e evitar complicações jurídicas para o empregador.

Quais ações de ergonomia adotar?

Embora a preocupação com a ergonomia seja de interesse mútuo, sua correção depende majoritariamente dos funcionários da empresa. Nesse cenário, cabe ao empregador instruir sobre boas práticas de ergonomia e estimulá-las.

A seguir, listamos algumas das principais ações que podem ser utilizadas nesse propósito. Confira.

Estimule a organização do ambiente de trabalho

Uma das principais medidas para melhorar a ergonomia é organizar o ambiente de trabalho para adequá-lo às posições corretas. É recomendado, por exemplo, que os ângulos articulares dos joelhos, quadril e cotovelos sejam aproximadamente de 90 graus. Além disso, devemos manter a coluna ereta e a visão no plano horizontal.

Lembre os funcionários de manter sua postura

Um ambiente de trabalho organizado e ergonomicamente adequado se torna ineficaz se a postura do funcionário não for mantida. Felizmente, a partir do momento em que adquirimos o hábito de sentar corretamente, conseguimos corrigir nossa postura inconscientemente. No entanto, é necessário recordar constantemente de corrigir a postura para atingirmos esse objetivo.

No home office, é possível utilizar lembretes espaçados para que os empregados corrijam sua postura. Eles podem ser enviados durante reuniões ou métodos corriqueiros de comunicação — como e-mails. Dessa maneira, você mantém o assunto sempre em alta e ajuda na criação desse hábito tão importante.

Inclua pausas na rotina

Mesmo com o home office, é comum manter a jornada de trabalho similar à presencial. Isso significa que o funcionário pode passar horas na mesma posição caso não haja pausas. Fisiologicamente, isso pode causar uma sobrecarga muscular e articular, predispondo às doenças ocupacionais.

Por isso, é importante estabelecer um planejamento de pausas na rotina, pensando na correção da ergonomia. Elas não precisam ser longas, a ponto de impactar na produtividade da equipe: alguns minutos por hora já possibilitam ao trabalhador mudar de cômodo, trocar sua posição ou realizar outra atividade rápida.

Preocupe-se com a iluminação

Diferentemente do que dita o senso-comum, a ergonomia não envolve apenas o sistema musculoesquelético: a iluminação também faz parte da interface homem-computador e, portanto, está inclusa no conceito. A deterioração visual também pode ser considerada uma doença ocupacional, se a iluminação não for adequada.

Por isso, mesmo no home office, é importante se preocupar com a iluminação do ambiente e estimular o trabalho em locais claros e arejados. Isso é especialmente importante em empresas que funcionam ou realizam reuniões em horários noturnos.

Indique apoios e móveis adequados

Atualmente, contamos com cadeiras, computadores, teclados e apoios cada vez mais adequados ao homem. Nas lojas, esses equipamentos são caracterizados como “ergonômicos” e geralmente são mais adequados a longas jornadas de trabalho.

Você pode estimular o uso desses apoios e móveis indicando os mais bem-avaliados ou certificados cientificamente aos funcionários. Outra boa ideia é organizar uma compra coletiva desses equipamentos na empresa, reduzindo seu custo e estimulando o uso.

A ergonomia no home office é uma preocupação geral durante a pandemia. Além de trazer benefícios à saúde dos funcionários, ela pode ajudar você a reduzir custos assistenciais e evitar problemas jurídicos. Com dicas simples e rotineiras, é possível melhorar a ergonomia e tornar o home office mais seguro e confortável para os funcionários da sua empresa.

Se você gostou de conhecer essas dicas, certamente seus colegas também gostarão. Por que não aproveita a oportunidade e compartilha este artigo em suas redes sociais? Nos ajude a disseminar informação de qualidade!