A Hospitalar, evento anual realizado entre os dias 21 e 25 de maio em São Paulo, representa um dos maiores pontos de encontro do setor de saúde.

A edição de 2019, gerou diversos debates sobre os rumos da saúde pública e privada no Brasil. A Sharecare esteve presente no “Fórum ICOS – Saúde Digital e Sustentabilidade”, com a presença do CEO Nicolas Toth, e no painel “A relevância dos dados abertos e integrados de saúde”, com a diretora de Produtos e Soluções, Dra. Ana Claudia Pinto.

 

Representantes do ICOS, da ANS, ABIMED, Fenasaúde e o CEO da Sharecare discutiram sobre a contribuição das novas tecnologias para a produtividade e sustentabilidade do setor, além da melhoria da qualidade da assistência à saúde.

Nicolas reforçou que o protagonismo na saúde exige mudanças importantes. Hoje investe-se apenas 10% a 15% em prevenção, mas a transformação digital pode melhorar o cenário. A tecnologia permite o levantamento de dados que antes não eram possíveis, a troca de dados e centralização das informações, possibilitando uma série de automações com segurança. Além disso, a saúde 4.0 muda o eixo para uma saúde proativa, com foco em prevenção e no cuidado ao paciente, colocando o usuário no centro do cuidado.

“Quando você coloca o usuário no centro do sistema, você consegue entender o perfil, tendências e riscos relacionados a cada pessoa e a partir daí fazer intervenções mais assertivas e com custo mais adequado. Ao fazermos isso, integramos todos os agentes, equilibrando todo o sistema” enfatiza Nicolas.

 

Uso de dados

Se por um lado a tecnologia é um grande agente dessa mudança, saber analisar e usar os dados é fundamental, para que eles tenham real valor para o negócio.  Esse foi um dos principais pontos discutidos no segundo seminário com a participação da Sharecare.

A diretora de Produtos e Soluções da Sharecare, Ana Claudia Pinto, enfatizou que o modelo de gestão de saúde populacional baseado no risco populacional e na coordenação de cuidados não se sustenta sem data Analytics e inteligência artificial. Além disso, “Não adianta usar todas essas tecnologias e ter acesso a todos esses dados se tudo isso não se falar”, reforçou.