Medicina ocupacional: qual o papel na gestão de saúde da equipe?

9 de abril de 2021
Medicina ocupacional

A gestão de saúde e segurança no trabalho tem papel fundamental no dia a dia de qualquer empresa. Isso fica visível na própria obrigatoriedade de realizar os exames ocupacionais dos funcionários durante sua estadia na empresa.

Ainda assim, é natural ter algumas dúvidas sobre o tema. Afinal, como a medicina ocupacional se combina com outras ações para melhorar a gestão de saúde da empresa?

Se você procura a resposta para essa e outras perguntas sobre o tema, está no lugar certo. Neste artigo, falaremos sobre os impactos que a medicina ocupacional causa na empresa — tanto do ponto de vista do bem-estar dos colaboradores, quanto da gestão do negócio. Então, vamos lá!

Redução do número de acidentes

A especialidade da medicina ocupacional é a relação entre a saúde dos colaboradores e as atividades que eles realizam no dia a dia, assim como a influência do próprio ambiente de trabalho. Seu foco é prevenir acidentes, mas também colabora para o tratamento de doenças e a recuperação de pessoas que passaram por alguma complicação.

Nesse sentido, um dos principais benefícios dessa prática é a redução do número de acidentes na empresa. Quem atua na gestão ou no RH de uma organização sabe o impacto negativo que esse tipo de evento traz: além de prejudicar a saúde e o bem-estar dos colaboradores, isso gera custos, compromete a produtividade e pode até manchar o nome da empresa.

Por isso, a medicina ocupacional é o primeiro passo para qualquer organização que almeja ter um ambiente mais saudável, seguro e tranquilo. Não é à toa que a legislação trabalhista assegura o direito dos colaboradores à segurança no trabalho.

É importante ter em mente que a estratégia não pode se limitar a informar os colaboradores na admissão e fiscalizar as práticas. É fundamental investir em ações de conscientização para criar uma cultura de cuidado mútuo — algo que pode ser feito com um programa de coaching preventivo, por exemplo, que ajuda a educar os colaboradores sobre os cuidados com a saúde.

Diminuição das taxas de absenteísmo

O absenteísmo é um dos indicadores que demonstra com mais clareza o impacto dos problemas de saúde nas empresas. Estamos falando de pessoas que se afastam do trabalho por motivos de saúde. Nesse caso, programas de saúde podem ajudar a reduzir essa taxa por meio de ações estratégicas.

Vale destacar que as medidas podem ser mais eficazes quando partem de uma investigação do cenário específico de cada empresa. A saúde mental, por exemplo, é um tema que merece atenção especial. Segundo a Previdência Social, problemas desse tipo estão entre as principais causas de afastamento de trabalhadores.

Reduz o índice de turnover

Quando programas clínicos são pensados de forma a atender a essas demandas específicas da empresa, é possível não só reduzir o absenteísmo, como diminuir a rotatividade no quadro de funcionários. Em outras palavras, fica mais fácil reter talentos, diminuindo os custos com contratação e ajudando os profissionais da empresa a ganharem experiência em suas funções, algo que beneficia também a produtividade das equipes.

Estamos falando de reduzir o índice de turnover. Conforme a empresa se torna mais eficiente em oferecer um bom ambiente de trabalho e, ao mesmo tempo, colaborar com a prevenção de doenças e acidentes, o desempenho das equipes tende a ser melhor. É o que mostraremos a seguir.

Aumenta a qualidade das operações

Conforme mostra um relatório da consultoria McKinsey, a produtividade aumenta em média 400% quando as equipes são formadas por profissionais mais experientes. Esse número pode ser ainda maior e influenciar também o faturamento da empresa. Vale destacar que o investimento em saúde e benefícios é fundamental para reverter esse quadro.

Segundo dados da revista Época, colaboradores sem assistência se acidentam 49% mais e faltam 37% mais vezes. Isso revela um aspecto interessante do investimento em programas de saúde como um recurso complementar: mais do que simplesmente tentar promover o bem-estar dos colaboradores e se tornar mais atraente para bons profissionais, as empresas estão percebendo que essa está se tornando uma tendência inevitável.

Afinal, os impactos podem ser sentidos no bolso. Por um lado, o custo é maior quando a medicina ocupacional é ineficiente ou faz apenas o que é determinado por lei, já que os problemas citados pelas pesquisas costumam aparecer. Por outro, a produtividade é maior quando a saúde e o bem-estar estão em níveis adequados.

Isso significa qualidade no trabalho realizado e, consequentemente, resultados financeiros mais interessantes.

Reduz o uso do plano de saúde

Se a assistência médica é um dos benefícios que os profissionais mais valorizam ao buscar uma vaga no mercado de trabalho, o uso excessivo tem dois impactos significativos para a empresa: o custo e o absenteísmo. Contudo, é possível implementar soluções de RH voltadas à otimização desse tipo de serviço — o que significa prevenir os problemas de saúde e engajar as pessoas em práticas mais saudáveis.

A modelagem preditiva, por exemplo, ajuda a identificar que tipo de problema é mais comum em determinados grupos da empresa. Resumidamente, é uma solução tecnológica que tira proveito de métodos estatísticos e modelos matemáticos para embasar as tomadas de decisão na gestão de saúde.

Se o RH identifica que o índice de afastamento para tratar de lesões ergonômicas é alto, por exemplo, a medicina operacional deve atuar para reduzir esses casos. O ponto é que os programas clínicos podem ser uma estratégia complementar para prevenir futuros casos

A conscientização sobre a importância de mudar alguns hábitos pode trazer resultados positivos para a saúde dos colaboradores, enquanto reduz o uso do plano de saúde. O mesmo se aplica a cenários nos quais o índice de doenças crônicas é mais alto. Na prática, a dica é adotar soluções e programas que ajudem a identificar as demandas específicas da empresa e, com base nessas informações, adotar planos de ação para combater o problema.

Como você viu aqui, a medicina ocupacional se tornou uma ferramenta estratégica para qualquer organização. Então, invista no aperfeiçoamento dessa prática e conquiste resultados cada vez melhores para os funcionários e para a empresa!

Se gostou do post, aproveite para compartilhá-lo nas redes sociais e mostrar aos seus colegas a importância do assunto!

Panorama sobre os custos da obesidade para o sistema de saúde brasileiro