Conheça 7 maneiras de estimular o bem-estar em seu trabalho

By 24 de setembro de 2019Notícias

Muitas empresas acham que o bem-estar dos colaboradores é algo restrito à vida pessoal. No entanto, a empresa pode contribuir de maneira significativa para a satisfação dos profissionais — e colher os resultados dessa boa prática.

De maneira simples, a matemática é essa: profissionais mais felizes trabalham melhor e produzem mais. Para o negócio, isso significa mais lucro, devido ao aumento da retenção de talentos e da eficiência operacional.

É claro que essa afirmação precisa ser confirmada por meio de dados. É por isso que criamos este post com 7 dicas para incentivar a qualidade de vida no trabalho. Que tal saber mais e ver o que pode ser aplicado na sua empresa?

A importância de estimular o bem-estar dos colaboradores

Qualidade de vida no trabalho é um termo abordado desde os anos 1970, mas que se tornou mais comum há poucos anos. Ele se refere ao bem-estar geral dos colaboradores, o que inclui melhoria da saúde física e mental. Ao atingir esse patamar, há menos chance de o desempenho na atividade ser ruim e, por consequência, é verificada redução da desmotivação, do estresse e dos acidentes de trabalho.

Para atingir esse propósito, é preciso aplicar uma série de medidas. Elas envolvem:

  • diagnóstico;
  • implantação de melhorias;
  • inovações gerenciais, tecnológicas e estruturais.

Desse modo, torna-se possível realizar o trabalho com plenas condições, inclusive no que se refere ao desenvolvimento humano. Esse é um dos benefícios para o profissional. No entanto, a empresa também alcança vantagens ao contar com práticas que favoreçam o bem-estar dos profissionais.

A atuação corporativa nesse sentido começa ainda no processo de recrutamento e seleção, com a escolha do candidato mais alinhado ao cargo e às expectativas da empresa. Ao optar pelo melhor fit, a tendência é ter um trabalhador mais engajado com as atividades que desempenha.

O mais importante, contudo, é manter as boas práticas com o passar do tempo. Esse é o grande desafio das empresas. Para confirmar essa afirmação, basta ver o Índice de Qualidade de Vida no Trabalho obtido em 2018 no Brasil. Os mais de 13 mil questionários aplicados em todas as regiões do país demonstraram que o resultado foi de 6,21, em uma escala de 0 a 10.

O índice foi 4% menor, se comparado a 2017. O mais complicado, no entanto, foi a redução em todos os números:

  • saúde e bem-estar (–3%);
  • facilidade e eficiência (–2%);
  • ambiente físico (–2%);
  • reconhecimento (–5%);
  • interação social (–6%);
  • crescimento pessoal (–4%).

O mesmo levantamento ainda realiza uma análise qualitativa. Considerando esse aspecto, também foram registrados resultados mais baixos para alguns fatores, como:

  • treinamentos (4,57);
  • possibilidade de promoção (4,70);
  • carga de trabalho existente (5,08);
  • diálogo com o gestor (5,06).

Esses dados demonstram que é preciso melhorar o bem-estar para os colaboradores. Ao investir nessa prática, os benefícios percebidos são:

  • redução do turnover, com consequente diminuição dos custos com demissões e substituições, e melhoria da produtividade, da motivação e da produtividade;
  • aumento da retenção de talentos devido à valorização dos colaboradores;
  • melhorias na saúde e mitigação do estresse, o que evita problemas como absenteísmo, presenteísmo — que é o ato de trabalhar sem foco —, desmotivação, doenças, afastamentos e conflitos interpessoais;
  • otimização dos resultados pela melhoria do desempenho e da qualidade.

7 dicas para alcançar esse propósito

A garantia do bem-estar dos profissionais depende da aplicação de boas práticas. Todas elas visam a uma equipe mais engajada e motivada, capaz de trazer bons resultados para o negócio. Quais são elas? Veja as principais a seguir!

1. Adote uma postura que condiz com a cultura da empresa

Sua empresa tem uma cultura organizacional definida. Se você nunca determinou o que deve ser seguido, ainda assim ela existe. Por isso, é preciso ter uma postura condizente para direcionar os profissionais e mostrar o que é permitido e proibido.

Lembre-se de que a cultura muito rígida tende a levar à desmotivação por dois principais motivos. O primeiro é a pressão sentida pelo colaborador devido às regras. O segundo é a falta de se sentir à vontade para o trabalho.

Esses fatores fazem as empresas adotarem cada vez mais as perspectivas flexíveis, com definição de prazos e tarefas mais focados em produtividade e bem-estar no trabalho. A medida ainda melhora o clima organizacional e aproxima empresa e colaborador.

De toda forma, qualquer que seja sua opção, é importante ter em mente que a empresa é a responsável por definir normas e valores. Portanto, crie uma cultura respeitosa e incentivadora, e apresente-a aos profissionais assim que eles começarem a trabalhar.

Reforce esses aspectos por meio do exemplo. É o caso de chegar sempre no horário ou justificar o atraso, se a cultura for rígida. Assim, você garante que todos sigam as diretrizes e contribui para a motivação e o engajamento.

2. Ofereça um ambiente que seja propício para o trabalho

Os profissionais precisam ter as ferramentas adequadas para exercerem suas funções. Verifique se todos os recursos e equipamentos são fornecidos. Por exemplo: um designer precisa de um computador com configuração avançada para evitar lentidão e atrasos nas entregas.

Veja ainda se os softwares instalados são suficientes, se existem recursos de segurança para evitar o vazamento de dados etc. Por outro lado, também é necessário avaliar outros aspectos.

Preocupar-se com a saúde dos colaboradores é essencial e uma obrigatoriedade, conforme a lei. No aspecto da ergonomia, vale a Norma Regulamentadora 17, que avalia as características psicofisiológicas dos trabalhadores. De acordo com a diretriz, nas atividades que requerem sobrecarga muscular estática ou dinâmica do pescoço, dorso, ombros e membros superiores e inferiores, é preciso:

  • incluir pausas para descanso;
  • implementar uma carga horária adequada, para evitar o esgotamento físico e mental;
  • ter uma parada de almoço de, pelo menos, 15 minutos;
  • oferecer cadeiras ajustáveis, com encosto e apoio para os braços;
  • colocar um apoio para pés, para pessoas de estatura mais baixa;
  • posicionar o monitor de lado para as janelas e, se precisar ficar em outra posição, fechar as persianas ou cortinas.

Lembre-se ainda de oferecer os equipamentos de segurança obrigatórios e necessários para evitar os acidentes de trabalho. Afinal, uma pessoa morre por esse motivo a cada 3h40min no Brasil, segundo a média registrada entre 2012 e 2018.

Atente ainda à saúde mental dos colaboradores. Valorize os funcionários e faça do reconhecimento uma prática. Oferecer feedbacks constantes é outra boa medida, tanto para alinhar as ações quanto para mostrar os pontos positivos. Assim, o profissional sabe o que a empresa espera dele.

Se for possível, ofereça oportunidades de crescimento, por exemplo, por meio de cursos e plano de carreira. Esses benefícios costumam ser muito valorizados. Além disso, invista em uma plataforma de saúde completa, que integre ações digitais e humanizadas para aumentar o engajamento dos participantes. Assim, o colaborador acompanha seus resultados e tem acesso a medidas voltadas ao seu bem-estar.

3. Preocupe-se com o clima organizacional

O clima organizacional está relacionado à percepção do colaborador sobre a empresa em que trabalha. Por esse motivo, é construído todos os dias e tem tudo a ver com o bem-estar de colaboradores.

Para entender como está o clima na sua empresa, a melhor alternativa é fazer uma pesquisa com questionário, reuniões de equipe ou entrevistas individuais. Assim, você descobre os incômodos, os desafios e as expectativas dos profissionais.

Ao tomar essa atitude, você pode descobrir um conflito interno pontual, passível de ser solucionado com rapidez, mas com potencial para se transformar em algo maior. Além disso, mostre aos profissionais quais foram os resultados alcançados e as estratégias a serem implementadas para solucioná-los.

Outro ponto importante sobre o clima organizacional se refere às conversas de corredor. É a fofoca entre colaboradores que gera problemas para o negócio e costuma criar a sensação de incerteza.

O problema pode ser evitado pelo estabelecimento de normas e valores a serem vivenciados no ambiente de trabalho. Ao agir dessa forma, há mais bem-estar entre os colaboradores, porque eles interagem entre si e com os gestores, ao mesmo tempo que têm a sensação de pertencimento em relação à companhia.

4. Estimule a criatividade dos colaboradores

A rotina pode desestimular os profissionais por ser sempre igual. Por isso, investir em criatividade faz toda a diferença. Isso nem sempre significa lançar produtos ou serviços, e sim se manter motivado também por meio de outras atividades.

Criar um grupo de exercícios ou de corrida, por exemplo, é uma boa alternativa. As atividades físicas liberam a endorfina, hormônio responsável pela sensação de bem-estar.

Outras ações também podem ser adotadas. Mudar a abordagem com os colegas, propor a realização de atividades rotineiras a partir de um novo ponto de vista e até um treinamento diferenciado podem ser os estímulos necessários.

As rotinas flexíveis são outro fator de contribuição. O organismo de cada indivíduo tem um funcionamento particular. Alguns são mais produtivos pela manhã, outros à tarde e ainda há quem prefira a noite. Algumas pessoas gostam de ter uma rotina bem estabelecida, enquanto outras têm comportamentos mais livres e preferem tirar um tempo para refletir.

Por fim, existem colaboradores que precisam de um escritório ou coworking para trabalhar, enquanto outros rendem mais enquanto estão em casa. É claro que cada empresa precisa analisar a sua situação, mas se for possível adotar a rotina flexível, o bem-estar dos profissionais tende a aumentar.

5. Estabeleça horários de descanso

A pausa no período da manhã e da tarde é importante para a produtividade de algumas pessoas. Por isso, defina horários de descanso para que os colaboradores possam se alimentar, tomar água, interagir e tirar o foco dos problemas.

Se for possível, coloque produtos de café na cozinha e até invista em uma sala de jogos. Essas atitudes simples podem ajudar até na criatividade. Como? Imagine que você está realizando uma atividade e parou diante de um problema sem solução. Tirar alguns momentos para fazer outra coisa é uma forma de relaxar e ter novas ideias.

Outra possibilidade é o momento da ginástica laboral. Ao parar por esses 5 ou 10 minutos e movimentar o corpo, a circulação melhora e o sedentarismo e as tensões emocionais são reduzidas.

O acompanhamento de uma plataforma de saúde digital é importante nesse caso, porque o colaborador verifica sua evolução e a melhoria da produtividade. Além disso, os períodos de descanso ajudam a aliviar a pressão comum no ambiente corporativo e voltar para o trabalho renovado.

6. Controle o excesso de exigências

O estresse corporativo é comum, mas precisa ser combatido, porque é um dos piores venenos para o bem-estar no trabalho. Se ficar sem controle, afeta a saúde e a produtividade de todos os colaboradores, o que gera prejuízos financeiros para o negócio, além do aumento do absenteísmo e do presenteísmo.

Para ter uma ideia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) já destacou que estresse no trabalho vira doença. Ele leva à síndrome de burnout, que será incluída na Classificação Internacional de Doenças.

Os dados da OMS ainda sinalizam que 72% dos brasileiros têm alguma sequela gerada pelo estresse no mercado de trabalho. Desse percentual, 32% sofrem de burnout. No entanto, de todos os que estão na segunda condição, 92% permanecem comparecendo a suas atividades.

Por isso, mantenha as exigências sob controle, de acordo com os limites de cada colaborador. Ofereça treinamentos e cursos para aumentar a eficiência das atividades, além de mais autonomia.

Quando as pessoas têm maior poder de decisão, sentem-se mais responsáveis e costumam ficar mais motivadas pelas funções que exercem. Com isso, querem contribuir de maneira significativa e se mostram mais dispostos.

7. Fomente campanhas de incentivo

A promoção à saúde e ao bem-estar dos colaboradores deve ser uma constante na empresa. Existem diferentes possibilidades, mas o melhor é trabalhar as ações de forma integrada por meio de uma plataforma única.

A ideia de coordenar a saúde digital (high tech) à humanizada (high touch) permite que os profissionais tenham acesso a todos os recursos necessários para se engajarem nas atividades. O resultado é a contenção de custos, porque há menos gastos com o plano de saúde — e a redução da sinistralidade, como consequência — e aumento da produtividade.

Com todas essas dicas, ficará muito mais fácil ter um ambiente corporativo que promova o bem-estar aos colaboradores. A ideia é ter um local atrativo, que permita aos profissionais se desenvolverem de maneira adequada às suas funções. Dessa forma, os benefícios citados antes serão atingidos.

Sua empresa está preparada para aplicar essas ideias? Siga o perfil da Sharecare nas redes sociais e veja outras dicas para ter sucesso nas práticas de saúde dos colaboradores. Estamos no Facebook, Instagram e LinkedIn.

Leave a Reply