Aprenda a implementar um programa de controle da hipertensão

By 3 de julho de 2020Notícias

controle da hipertensão

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma doença crônica que atinge 35% da população brasileira. A condição está associada a doenças cardiovasculares e pode causar infarto, acidentes cerebrovasculares, problemas de insuficiência renal, entre outros.

Além dos fatores genéticos, a doença tem relação com obesidade, vida sedentária, má alimentação, alto consumo de sal, tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas e estresse. Segundo o Ministério da Saúde, a HAS é corresponde a 65% das mortes em pessoas com idade entre 30 e 69 anos no Brasil.

Embora a taxa de morbilidade e mortalidade seja alta, nem sempre há adesão ao tratamento e, com o envelhecimento populacional, a patologia tende a gerar cada vez mais custos para as operadoras de planos de saúde.

Os programas de controle da hipertensão consistem em ações que visam minimizar fatores de risco e melhorar a qualidade de vida de pacientes crônicos. A adoção desse tipo de iniciativa vem aumentando ao longo dos anos e promete, em médio e longo prazo, ajudar a manter o equilíbrio financeiro das operadoras.

Ao longo deste conteúdo, vamos mostrar a importância dos programas de controle da hipertensão e como você pode implementá-los. Confira!

Quais são os benefícios de um programa de controle da hipertensão?

Controlar a hipertensão é muito vantajoso para as operadoras de planos de saúde. Além de prevenir o agravamento do quadro do paciente crônico, os programas diminuem o surgimento e/ou o agravamento de doenças associadas a HAS, melhorando a saúde da população. Confira abaixo!

Ajuda na gestão de pacientes crônicos

Os programas de gestão de pacientes crônicos têm como objetivo prevenir fatores de riscos modificáveis e melhorar a qualidade de vida, evitando o agravamento do quadro de quem convive com uma doença crônica não transmissível (DCNT) — como diabetes, asma, insuficiência cardíaca e a própria hipertensão.

As ações voltadas especificamente para hipertensão contribuem para o rastreamento de doenças crônicas, que geralmente têm fatores de risco em comum, indo ao encontro do objetivo global de aumentar a qualidade de vida do indivíduo.

Promove ações preventivas

As ações preventivas buscam orientar quanto ao estilo de vida do paciente, conscientizando-o em relação aos hábitos que ele deve adotar ao longo da vida para diminuir as chances de desenvolver a HAS. Algumas dessas orientações são:

  • praticar atividade física pelo menos 3 vezes na semana;
  • ter uma alimentação saudável, que priorize vegetais e frutas e evita alimentos ultraprocessados;
  • consumir, no máximo, 2,4 gramas de sódio por dia;
  • manter o peso normal;
  • não fumar;
  • evitar o excesso de consumo de álcool;
  • controlar o estresse.

O Coaching Preventivo, da Sharecare, pode ser uma boa opção para ajudar a prevenir a hipertensão, buscando modificar comportamentos que podem trazer risco a saúde do paciente.

Evita a progressão e agravamento do quadro

Os programas de controle da hipertensão também cuidam do paciente que já sofre com o quadro, ajudando-o a conviver da melhor forma possível com a HAS e minimizando as possíveis complicações cardiovasculares. Isso ajuda a evoluir as métricas da operadora de planos de saúde, contribuindo, em médio e longo prazo, para a saúde financeira da organização.

Nesse sentido, o Programa de Gestão de Crônicos, da Sharecare, pode ser uma boa alternativa. Ele opera proporcionando monitoramento para quem já foi diagnosticado com uma DCNT, oferecendo, por meio de uma equipe multidisciplinar, tratamento individualizado de acordo com a necessidade de cada paciente.

Como implementar o programa de controle da hipertensão?

Para implementar um programa de controle da HAS, é importante conhecer a população, identificar parâmetros mensuráveis e investir em ações interligadas, que atuem em várias esferas do problema. Veja como a seguir!

Mapeie população

O primeiro passo para implementar o programa de controle da hipertensão é mapear a população e identificar grupos mais e menos vulneráveis à HAS, bem como classificar o grau de risco dos pacientes que já sofrem com a patologia.

Estabeleça diretrizes para a ação

Depois, deve-se estabelecer ações de acordo com cada categoria. Essas ações podem englobar, por exemplo, instruções quanto à hipertensão, avaliação da rotina e alimentação, orientações quanto ao tratamento medicamentoso etc.

Por que é importante contar com parceiros especializados?

Ao implementar um programa de controle da hipertensão, é importante adotar práticas integradas, que participem de uma ação de médio e longo prazo, com objetivos mensuráveis pré-definidos.

Dessa forma, para garantir o retorno do investimento, é importante contar com soluções especializadas, capazes de oferecer métricas para a operadora. Veja a seguir outras vantagens de contar com um parceiro especializado.

Acesso a ferramentas tecnológicas

A tecnologia é uma grande aliada na área da saúde. No tratamento de crônicos, podemos citar, por exemplo, a telemedicina, que compreende a atuação médica a distância por meio da tecnologia da informação. Nesse campo, o telemonitoramento acompanhará o desenvolvimento e/ou as alterações do quadro do paciente.

Assistentes virtuais, baseados em inteligência artificial, também são tendência no campo da saúde. A Sharecare conta com a enfermeira virtual Sara, que oferece um tratamento individualizado, conduzindo interações estratégicas com o paciente via chat.

No que diz respeito à obtenção de dados e ao mapeamento de riscos, a tecnologia também oferece boas soluções, contribuindo para um planejamento em saúde mais embasado. Nesse sentido, a Sharecare conta com a Modelagem Preditiva, que identifica a probabilidade de eventos futuros com base em dados e padrões anteriores.

Maior engajamento dos pacientes na mudança de hábitos

Um fator fundamental para o sucesso do programa de controle da hipertensão é o engajamento do paciente em relação às ações propostas.

A tecnologia e a colaboração de empresas especializadas também atuam nesse aspecto, oferecendo, por exemplo, plataformas que contam com recursos de engajamento. A Sharecare trabalha nesse sentido, integrando a saúde digital (high tech) e a saúde humanizada (high touch)!

Agora você já sabe o impacto da HAS nas operadoras de plano de saúde e a importância dos programas de controle da hipertensão. Os benefícios dessas ações são inúmeros: além de melhorar a qualidade de vida do paciente, também diminuem o índice de sinistralidade dos planos saúde. Na hora de implementar o programa de controle, conte com parcerias especializadas para garantir resultados e retorno financeiro!

Gostou deste conteúdo? Que tal conhecer mais sobre as soluções de saúde da Sharecare? Entre em contato conosco agora mesmo e saiba como podemos ajudar!