Como promover a longevidade dos beneficiários de plano de saúde?

By 6 de outubro de 2020Notícias

O conceito de medicina preventiva vem ganhando força na área da saúde suplementar. Além de reduzir custos com serviços emergenciais, a prática ajuda a promover a longevidade dos beneficiários de plano de saúde. A importância disso é evidenciada por estudos na área.

Segundo um estudo da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), cerca de 20% do investimentos em saúde no Brasil são desperdiçados. Logo, a medicina preventiva se torna um diferencial interessante para os beneficiários do plano, ao mesmo tempo em que ajuda as operadoras de saúde a combaterem esse tipo de problema.

Neste post especial você vai aprender como a longevidade pode ser promovida e mostrar os benefícios que isso traz. Confira!

Dicas para promover a longevidade dos beneficiários do plano de saúde

A saúde preventiva ajuda a lidar com o envelhecimento populacional, promovendo mais qualidade de vida às pessoas. Porém, isso não se resume a uma estratégia única. Na verdade, existem diferentes formas de colocá-la em prática. Veja a seguir as que mais se destacam.

Incentive a realização de consultas preventivas

A medicina preventiva se divide em três etapas:

  • primária — ações para impedir o desenvolvimento de problemas;
  • secundária — ações para lidar com problemas já identificados;
  • terciária — ações para lidar com problemas cujo impacto já alcança o longo prazo.

Se pensarmos no contexto da pandemia da COVID-19, por exemplo, uma ação primária é fundamental para prevenir a contaminação. Dores causadas por problemas ergonômicos, por sua vez, podem ser tratados na fase secundária. Por fim, doenças crônicas caracterizam a fase terciária, já que exigem ações de curto, médio e longo prazo, tanto para tratar, quanto para prevenir.

Posto isso, é fundamental incentivar a realização de consultas preventivas, de forma que a população esteja mais ativa no autocuidado. É preciso mudar a cultura de gestão da saúde como algo responsivo — os beneficiários do plano de saúde devem estar engajados nos cuidados com o próprio corpo, evitando o desenvolvimento de males que possam comprometer sua qualidade de vida.

Em longo prazo, isso será um grande diferencial para as próximas gerações de idosos, além de beneficiar também a geração atual.

Mostre a importância dos exames periódicos

Se as consultas preventivas ajudam a identificar problemas em fases iniciais, os exames periódicos complementam essa estratégia. Populações idosas são, por natureza, mais suscetíveis a doenças crônicas e outros problemas de saúde — seja os desenvolvidos ao longo da vida, seja por propensão genética.

O retorno aos especialistas ajuda a manter uma rotina de coleta de dados e atualização das condições de saúde, garantindo a margem de tempo adequada para lidar com eventuais mudanças. Vale destacar que isso ajuda os médicos a entenderem melhor o comportamento do paciente e, com essas informações em mãos, orientá-los para que tenham hábitos mais saudáveis, o que é a base da promoção de saúde.

Valorize as atividades físicas e a alimentação saudável

A alimentação, a prática de atividades físicas e um sono de qualidade compõem uma espécie de tríade da medicina preventiva. Quando o paciente dá a devida atenção a esses três pontos, sua saúde tende a ser melhor. Contudo, é preciso desenvolver uma cultura de valorização desses fatores, sobretudo entre os mais idosos.

Implemente programas clínicos de conscientização e educação para que, além de demonstrar a importância do assunto, você mostre aos beneficiários do plano de saúde como eles podem fazer isso. Os benefícios, como mostraremos a seguir, são muitos.

Motivos para investir em programas clínicos de envelhecimento

Um programa voltado ao envelhecimento populacional tem impactos expressivos, tanto na saúde dos beneficiários, quanto na gestão dos serviços oferecidos. É preciso considerar, por exemplo, que existe uma relação direta entre o aumento das despesas dos planos e o envelhecimento da população, como mostra um estudo sobre o tema.

Por isso, um primeiro motivo a ser citado é de natureza financeira.

Redução de custos com internações

Quando um trabalho preventivo é feito com eficiência, o engajamento das pessoas nos cuidados com a saúde ajuda a reduzir custos com internações. Isso se dá não só pela diminuição das próprias entradas nos hospitais e clínicas, mas pela economia com equipamentos e recursos envolvidos na realização de exames e tratamentos.

Aumento da percepção da saúde

Conforme a população assume o hábito do autocuidado, o processo se torna mais natural na rotina cotidiana. A percepção da saúde muda, já que o objetivo passa a ser a prevenção, não apenas remediar algo quando o problema já se desenvolveu.

Prevenção no surgimento e no agravamento de doenças

Quando o assunto é a população idosa, não basta pensar apenas em promoção. Como mencionamos, trata-se de um grupo mais suscetível a problemas específicos — muitas vezes agravados por fatores genéticos. Doenças crônicas, como Diabetes e Hipertensão, podem já ser uma realidade para essas pessoas.

Como mostra um estudo da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica (SBPC), por exemplo, 72% dos pacientes só descobre que está doente depois do surgimento dos sintomas. Por isso, além de reduzir as chances de surgimento da doença, um programa clínico eficiente ajuda a evitar o agravamento dos quadros.

As consultas preventivas e os exames rotineiros desempenham um papel crucial na identificação precoce de problemas desse tipo.

Programa de Envelhecimento Saudável da Sharecare

Se o objetivo é tratar o problema em toda a sua complexidade, uma estratégia desenvolvida especificamente para isso é uma aliada valiosa. É o caso do Programa de Envelhecimento Saudável da Sharecare. Seu objetivo é promover a gestão de saúde e a prevenção em todas as etapas da vida.

Focado em pessoas com mais de 65 anos, o programa une tecnologia de ponta e equipes de profissionais altamente capacitados para dar todo o suporte que essa população necessita para ter uma vida melhor. O acompanhamento é personalizado: por meio dos canais de telemonitoramento, a equipe médica e de enfermagem orienta cada paciente de acordo com suas demandas específicas.

Se for preciso, o programa cobre ainda visitas domiciliares para atendimentos de urgência e emergência. Para complementar, o programa de Alta Hospitalar acompanha os pacientes em fase de desinternação, a fim de garantir que as orientações médicas sejam seguidas e que o quadro de melhora não sofra uma regressão.

O resultado é uma vida mais longa e saudável para o paciente, além de uma redução de custos significativa para a operadora. Por isso, vale a pena colocar essas dicas em prática e promover a longevidade dos beneficiários de plano de saúde. As vantagens, como você viu aqui, são muitas!

Quer mais detalhes sobre como isso pode ser feito no cenário específico da sua empresa? Então, entre em contato com a Sharecare e fale com quem é referência internacional em gestão de saúde!

Guia definitivo para implementar telemedicina em operadoras de saúde