Medicina preventiva: saiba por que a sua empresa deve investir!

By 14 de fevereiro de 2020Notícias

medicina preventiva

Já ouviu falar em medicina preventiva? Talvez você não saiba, mas essa é uma ótima maneira de cuidar do bem-estar dos colaboradores, diminuir custos e aumentar a produtividade. Por isso, essa estratégia tem sido muito utilizada por empresas de sucesso com o objetivo de melhorar os resultados das equipes.

Além de ser benéfica para os trabalhadores, a medicina preventiva também traz vantagens para as companhias, uma vez que se observa grande redução dos gastos com saúde. Para se ter uma ideia, segundo dados da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), o Brasil desperdiça por ano cerca de 20% dos investimentos no setor.

Levando em conta a relevância do tema, criamos este artigo especial para explicar em detalhes por que agir preventivamente — tanto em relação à saúde, quanto ao bem-estar dos colaboradores — pode impactar positivamente nos resultados de uma empresa.

Continue a leitura e prepare-se para colocar algumas ações em prática!

O que é medicina preventiva?

A medicina preventiva tem como objetivo atuar na prevenção de lesões e doenças — sejam físicas, sejam emocionais. De forma simplificada, pode-se dizer que, em vez de tratar sintomas ou atuar para alcançar a cura, com a medicina preventiva são implementadas ações antecipadas e cultivados bons hábitos, a fim de não esperar que o mal se instale para começar a agir.

Pensando no ambiente corporativo, a premissa deve ser acompanhar de forma constante a rotina e os hábitos dos colaboradores. O objetivo é identificar grupos de risco e comportamentos que, em longo prazo, possam impactar a produtividade — e, consequentemente, os lucros da empresa.

É importante ressaltar que, em termos de resultados, desenvolver ações isoladas em uma organização pode não ser a melhor maneira de atuar com medicina preventiva. Afinal, ao adotar programas de prevenção destinados a todos os colaboradores, há um grande risco de desperdício dos recursos, sem que um impacto significativo seja alcançado nos pontos cruciais.

Vamos a um exemplo prático. É possível que parte dos colaboradores de uma empesa use regularmente o plano de saúde para tratar de problemas relacionados ao sistema cardiovascular. Os gestores, por sua vez, não têm acesso esses dados. Da mesma forma, pode haver outros grupos se ausentando por motivos de baixa saúde mental ou por lesões ortopédicas sem que a empresa se dê conta disso.

É por isso que, atualmente, exitem soluções tecnológicas capazes de identificar problemas em comum em certos grupos de pessoas, para que seja possível fazer um mapeamento preciso de como atuar. Esse tipo de medicina preventiva torna as ações muito mais objetivas e eficazes, resultando em mais saúde e bem-estar para os trabalhadores — e em rentabilidade para a empresa.

As 3 fases da medicina preventiva

Adotar essa estratégia envolve um bom nível de planejamento. Na prática, isso pode ser feito em três etapas: primária, secundária e terciária. A seguir, mostraremos como funciona cada uma delas e como você pode planejar e executar cada uma.

Primária

A função da medicina preventiva primária é criar e implementar ações para impedir que problemas de saúde ocorram antes mesmo de seu desenvolvimento. Na medicina, esse período é compreendido como pré-patogênico, ou seja, antes que a doença possa de fato se desenvolver. Portanto, as iniciativas devem ter como foco principal os agentes causadores e os próprios vetores da patologia.

No ambiente corporativo, isso costuma ser feito em dois níveis. O primeiro é a promoção de saúde, algo que envolve mudança de comportamento, conscientização etc. Já o segundo é a proteção específica. Nela, o direcionamento tem como foco os riscos mais preocupantes daquele ambiente.

No Brasil, por exemplo, é comum que algumas empresas adotem campanhas de prevenção à dengue, combatendo focos do mosquito e levando informação aos colaboradores sobre sintomas, como eliminar os criadouros em casa e outras ações importantes.

Secundária

A prevenção secundária envolve ações para lidar com situações em que o problema de saúde já foi identificado. Nesse caso, é importante que sejam tomadas medidas para proporcionar a melhor evolução clínica possível para os pacientes. Isso significa, por exemplo, impedir ou ao menos retardar o desenvolvimento da enfermidade.

A rapidez no diagnóstico e no início do tratamento é fundamental para a eficiência dessa estratégia. Somado a isso, é preciso agir também para impedir uma possível disseminação da doença na população da empresa. Por isso, é comum que essa fase da medicina preventiva seja dividida em dois processos: o diagnóstico e a limitação da incapacidade causada pelo problema.

Lembre-se de que essa estratégia não se limita ao ambiente da empresa. Ao levar a informação aos colaboradores, é importante reforçar que eles devem criar essa cultura de prevenção dentro de casa, com os familiares.

Terciária

O terceiro estágio é aquele no qual o quadro identificado já atingiu um nível de evolução suficiente para se manifestar a longo prazo. Do ponto de vista dos pacientes, é o cenário mais preocupante, já que o problema de saúde pode se tornar crônico ou deixar sequelas após ser curado. Por isso, a empresa deve tomar medidas que amenizem os impactos da doença.

De forma complementar, a situação demanda ainda uma estratégia de prevenção mais específica para impedir que outros funcionários — ou os próprios familiares do paciente — sejam afetados. Vale destacar, por exemplo, que problemas crônicos são os que exigem mais empenho individual para que o tratamento surta o efeito planejado.

Então, programas de acompanhamento e orientação se tornam ferramentas essenciais. Eles ajudam a guiar o paciente na rotina de tratamento, monitoramento sua condição de saúde e fornecendo as informações que ele precisa sobre medicamentos, alimentação, atendimento médico etc.

Os benefícios de implementar a medicina preventiva na sua empresa

Como você viu até aqui, adotar os recursos da medicina preventiva resulta em grandes benefícios não só para os colaboradores, mas também para as companhias. Confira a seguir mais algumas vantagens de implementar ações inteligentes de saúde e bem-estar nas empresas.

Redução do absenteísmo

Para a empresa, uma das principais vantagens de se prevenir o aparecimento de lesões e doenças nos colaboradores é a diminuição do número de faltas. Afinal, quanto mais saudável é o trabalhador, menos ele precisa se ausentar para ir ao hospital ou por motivo de atestado.

Somado a isso, outro ponto que ajuda na diminuição do absenteísmo é ter colaboradores mais motivados para o trabalho. Saber que a empresa cuida da qualidade de vida dos profissionais gera um bem-estar valioso entre as equipes, fazendo com que todos exerçam melhor suas funções.

Dados mostram que isso ainda é um desafio a ser superado. De acordo com um estudo da Towers Watson, por exemplo, apenas 28% dos empregados estão engajados na empresa em que trabalham.

Atração e retenção de talentos

Uma boa empresa quer atrair os melhores profissionais do mercado, não é mesmo? Entretanto, isso só é possível quando a instituição demonstra oferecer diferenciais que sejam do interesse do candidato. De acordo com pesquisa feita pela LoveMondays, 58% dos profissionais consideram a qualidade de vida como fator preponderante nas decisões profissionais.

Quando uma organização é reconhecida por cuidar do bem-estar dos colaboradores, mesmo os melhores profissionais lutarão por uma vaga de trabalho. Em outras palavras, as medidas preventivas são úteis não só para manter a equipe já contratada, mas também para atrair novos e bons talentos, aumentando o capital intelectual da empresa.

Redução de custos com saúde

Embora a redução de custos já esteja embutida em todos os tópicos anteriores, seus benefícios merecem ser tratados à parte. Isso porque, ainda que os profissionais sejam cobertos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), um afastamento gera custos para uma organização.

Afinal, quando um trabalhador se ausenta por atestado médico, outra pessoa precisa ser deslocada para desempenhar sua função e os clientes atendidos podem sentir impactos negativos, entre outras consequências para a empresa. De acordo com Ricardo Soares, diretor da Sul América, as empresas podem economizar até 20% com a prática de cuidados preventivos.

Outro assunto que merece destaque são os planos de saúde. Isso porque todas as vezes em que um colaborador aciona o convênio oferecido pela empresa, há um impacto financeiro. Assim, quanto menor for a necessidade de se usar os planos de saúde para atendimentos complexos, maior será a economia.

Atualmente, o desperdício com consultas e exames desnecessários é tão grande que os planos de saúde podem até mesmo deixar de existir nos próximos 20 anos.

Melhoria do clima organizacional

O clima organizacional pode ser definido como um conjunto de propriedades do ambiente de trabalho que pode ser de alguma maneira percebido por todos que frequentam o local. Apesar de muitas vezes não receber a devida atenção, esse fator influencia o comportamento e a motivação dos profissionais, impactando fortemente os resultados e a imagem da empresa.

O que pouca gente sabe é que a medicina preventiva pode ser útil também para a melhoria do clima organizacional. O motivo é simples: quando uma empresa age com foco na prevenção e demonstra preocupação e cuidado com a saúde e o bem-estar dos colaboradores, o ambiente de trabalho se torna muito mais agradável e produtivo.

O melhor momento para buscar soluções de medicina preventiva

No cenário ideal, ações de prevenção devem ser o foco principal de uma gestão de saúde eficiente. Afinal, elas trazem os benefícios listados acima, como aumento da produtividade, redução do desperdício dos serviços e diminuição dos custos. Entretanto, isso exige planejamento e organização, além de uma boa dose de conhecimento sobre esses processos — algo que nem toda empresa tem à disposição.

Ainda assim, isso não significa que soluções de medicina preventiva não sejam acessíveis para qualquer organização. O ponto crucial é fazer um levantamento para entender exatamente qual é a situação atual da gestão de saúde na sua empresa e, a partir disso, buscar o suporte de quem mais entende do assunto.

A boa notícia é que isso pode ser encontrado fora da sua empresa, por meio de parcerias com especialistas.

Uma plataforma de soluções

Uma forma de atender a essa demanda com eficiência é adotando um conjunto de soluções voltadas à gestão de saúde, como as da plataforma Sharecare. Especialista no assunto e referência internacional em redução de custos e de sinistralidade dos planos, a Sharecare oferece programas que otimizam a gestão de saúde populacional da sua empresa.

Duas dessas soluções exemplificam objetivamente de que forma esse suporte especializado ajuda a estruturar a medicina preventiva. A primeira é a modelagem preditiva, uma análise baseada em modelos matemáticos e algoritmos estatísticos que permite identificar os principais riscos de saúde em uma organização.

Para isso, o software utiliza a tecnologia de machine learning. Resumidamente, é uma aplicação da Inteligência Artificial que permite ao programa aprender com seu próprio desempenho e melhorar continuamente. Assim, ele oferece previsões valiosas para o desenvolvimento das ações de prevenção.

A outra solução que destacamos aqui é o Coaching Preventivo. Nele, uma equipe de especialistas da Sharecare acompanha os colaboradores mais de perto para ajudá-los a mudar comportamentos, visando à promoção de uma vida mais saudável. Isso envolve mudar hábitos que tragam risco à saúde, além de cessar tabagismo, prevenir a depressão e outros transtornos psíquicos, adotar uma alimentação mais saudável etc.

Entenda o cenário da sua empresa

Tendo em vista os benefícios desse tipo solução, é fundamental que toda empresa faça uma análise do seu panorama atual e adote medidas para focar em prevenção. Isso pode ser feito por meio da própria modelagem preditiva, um passo inicial que facilita a criação da estratégia a ser seguida. Com um conjunto de soluções eficiente, como o da Sharecare, os resultados podem ser notados em pouco tempo.

Por fim, lembre-se de que a redução dos custos com gestão de saúde é uma demanda de alta prioridade entre empresas e operadoras. Quanto mais tempo uma organização demora para otimizar esses processos, maior o custo acumulado com planos de saúde, sobretudo com os aposentados. Então, vale a pena adotar medidas que tragam benefícios para a população e quem gerencia os serviços.

Como você pôde ver, adotar a medicina preventiva na sua organização pode ser uma ótima forma de aumentar a lucratividade e melhorar o bem-estar geral dos colaboradores. Porém, tenha em mente que, na hora de implementar as novas ações, é fundamental fazer um diagnóstico das necessidades da sua população, a fim de adotar estratégias objetivas e realmente direcionadas para a resolução dos problemas existentes.

Gostou do conteúdo? Então, compartilhe-o agora mesmo em suas redes sociais e contribua para que as informações sobre medicina preventiva cheguem a outras pessoas!