O clima quente ajuda na redução da disseminação da COVID-19?

By 27 de março de 2020Covid 19, Notícias

É verdade que a temporada de gripes e resfriados enfraquece com o clima mais quente. Mas será que essa também é uma realidade quando se trata do Coronavírus?

A medida que a COVID-19 continua a percorrer o mundo, muitas pessoas andam se perguntando se o clima mais quente reduzirá a propagação da doença. Afinal, a gripe normalmente atinge o pico entre o outono e o inverno e depois recua durante a primavera e o verão. Os resfriados também tendem a diminuir durante os meses de verão. Mas a COVID-19 agirá de maneira semelhante, diminuindo à medida que a temperatura aumenta?

O que dizem os especialistas

Em suma, ninguém sabe. O surto começou em dezembro de 2019 e a COVID-19 foi identificado em janeiro de 2020. Os cientistas ainda estão estudando as evidências para entender como o coronavírus afeta o corpo e como ele se espalha. Não há dados para apoiar a ideia de que ele irá recuar devido a condições mais quentes.

“No momento, não se sabe se a propagação da COVID-19 diminuirá quando o clima ficar mais quente”, adverte o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC). “Há muito mais para aprender sobre a transmissibilidade, gravidade e outros recursos associados à COVID-19.”

“É uma falsa esperança dizer sim, que ele simplesmente desapareça no verão como o vírus da gripe”, disse Mike Ryan, diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS).”Não podemos fazer essa suposição. E até o momento não há evidências que apoiem essa hipótese. ”

O papel do clima

Mas por que há a especulação de que o clima pode ser um fator? De forma simplista outras cepas de coronavírus são conhecidas por ter alguma sazonalidade, o que significa que muitas vezes vem e vão com certas estações. Assim como a gripe, teoriza-se que algumas dessas doenças se espalhem mais facilmente nos meses de inverno devido à menor umidade e porque as pessoas tendem a se reunir em ambientes fechados, transmitindo germes entre si.

Mas há uma grande variedade de outras variáveis ​​que provavelmente afetam a proliferação da COVID-19. A duração da luz solar, densidade populacional, comportamento humano, intervenções em saúde pública e sistemas de saúde individuais também podem influenciar a rapidez com que a doença é transmitida de pessoa para pessoa. No total, é impossível prever se a COVID-19 se retirará quando o clima estiver mais quente. E mesmo que isso aconteça, provavelmente não desaparecerá completamente.

O coronavírus não é como os outros vírus?

Especialistas em saúde pública alertam contra a suposição de que a COVID-19 é exatamente como a gripe. Embora ambos possam ter alguma sazonalidade, atualmente ninguém entende o suficiente sobre a COVID-19 para tirar conclusões definitivas sobre comportamentos semelhantes em climas quentes. Por exemplo, os humanos não acumularam imunidade à COVID-19, como ocorre com a gripe. Isso é um dos fatores que pode afetar a transmissão na primavera e no verão.

Os especialistas também alertam contra a comparação da COVID-19 com outros vírus como a síndrome respiratória aguda grave (SARS) e síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS), uma vez que nenhum deles é considerado sazonal.

O surto de SARS de 2002-2003 não foi retardado pelo clima quente. Pelo contrário, o dano foi mitigado por intensas intervenções de saúde pública nos países afetados, incluindo China, Vietnã e Canadá. Já o surto de MERS de 2012, que começou na Arábia Saudita, nunca desapareceu realmente. Mais de 850 pessoas morreram de MERS nos anos desde que começou, relata a Organização Mundial da Saúde.

Dicas para evitar a propagação da COVID-19

Não conte com clima quente para diminuir ou parar a COVID-19. Em vez disso, ajude a prevenir a infecção com estas dicas:

Lave suas mãos: Use água e sabão e esfregue por pelo menos 40 segundos. Se você não tiver acesso aos itens mencionados acima, utilize álcool gel 70%. Não toque nos olhos, nariz e boca se você não lavou as mãos, principalmente depois de comer ou usar o banheiro.

Evite pessoas com o vírus: Pratique o distanciamento social e evite multidões e viagens não essenciais. Se a COVID-19 for encontrada em sua comunidade, fique em casa o máximo que puder para evitar ser exposto ou, sem saber, passar a infecção para outras pessoas. Idosos e pessoas com condições médicas crônicas, como doenças cardíacas, pulmonares ou diabetes, correm alto risco de desenvolver complicações com risco de vida ao serem expostas à COVID-19.

Proteja os outros: Cubra a boca com um lenço de papel limpo quando espirrar ou tossir. Se você não tem um lenço de papel, use a manga ou o cotovelo, mas nunca as mãos. Limpe e desinfete as superfícies sujas que as pessoas tendem a tocar, como maçanetas, telefones e alças. Se você estiver doente, fique em casa, a menos que precise de cuidados médicos ou abastecer a casa com itens essenciais como comida e medicamentos.

Qualquer pessoa que acredite estar infectada com COVID-19 ou possa ter sido exposta ao coronavírus deve tomar medidas imediatas para se isolar e evitar espalhar sua doença para outros.

Se desenvolver algum sinal de infecção, ligue para o seu médico e obtenha instruções de como proceder. Ao ir a um hospital, informe à equipe médica que você pode ter sido exposto à COVID-19. Uma vez avisados eles te isolarão e determinarão se você precisa fazer o teste.

Revisado clinicamente em março de 2020.

Fontes:

Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC). “A estação da gripe”, “Resfriado comum”, “Doença coronavírus 19 (COVID-19): perguntas e respostas frequentes”, “Doença coronavírus 19 (COVID-19): etapas para prevenir doenças”.

Maria Cheng e Victoria Milko. Associated Press (agência de notícias internacional sediada na cidade de Nova York). 12 de março de 2020. “O calor impedirá a propagação de novos vírus? Ninguém realmente sabe.”

Organização Mundial da Saúde (OMS). Conferência virtual de 6 de março de 2020. “MERS Situação atualizada.”

UptoDate.com. “Coronavírus.”

Andrew Freedman e Jason Samenow. Washington Post. 11 de março de 2020. “O coronavírus pode ter um ciclo sazonal, mas isso não significa que desaparecerá neste verão, alertam os especialistas.”

Allison Aubrey. NPR. 12 de fevereiro de 2020.”O coronavírus pode ser esmagado pelo clima mais quente?”

Sarah Gibbens. NationalGeographic.com. 6 de março de 2020. “O aquecimento desacelerará o surto de coronavírus?”

MM Sajadi, P. Habibzadeh, et al. Rede de Pesquisa em Ciências Sociais. 10 de março de 2020. “Análise de temperatura e latitude para prever potencial propagação e sazonalidade para o COVID-19.”

Ari Alstedter e John Lauerman. Notícias Bloomberg. 12 de março de 2020.

 “O tempo quente conterá o coronavírus? O que dizem os especialistas.”

Ted Regência. AlJazeera.com. 11 de março de 2020. “O clima mais quente retardará a propagação do coronavírus?”

Berkeley Lovelace Jr. e Noah Higgins-Dunn. CNBC.com. 3 de março de 2020. “A OMS diz que a taxa de mortalidade por coronavírus é 3,4% globalmente, mais alta do que se pensava anteriormente.”

Amy Gunia. Time.com. 28 de fevereiro de 2020. “O clima mais quente impedirá a disseminação do coronavírus? Não conte com isso, dizem especialistas.”