Sua operadora cumpre todas as regras do Promoprev? Veja como estruturar um programa preventivo

By 29 de maio de 2020Notícias

Promoprev

Ações voltadas à promoção da qualidade de vida e à prevenção dos riscos de saúde são fundamentais para garantir o bem-estar da população, além de ter um impacto expressivo na redução de custos associados à assistência médica para a operadora de planos de saúde.

Pensando nisso, o programa de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças (Promoprev), incentivado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), estimula as operadoras a adotarem um papel mais ativo na gestão, utilizando medidas preventivas e zelando pela manutenção da saúde na população.

O intuito é garantir um olhar mais completo em relação à saúde do indivíduo, identificando aspectos relevantes para a saúde e utilizando estratégias que busquem otimizar a sua qualidade de vida, em vez de concentrar esforços apenas em lidar com o problema quando ele aparece.

Atualmente, as iniciativas do Promoprev cadastradas junto à ANS englobam aproximadamente 2,3 milhões de beneficiários. Além disso, 53% das operadoras têm algum programa cadastrado na entidade.

Neste artigo, vamos falar mais sobre o Promoprev e os impactos positivos da medicina preventiva. Também daremos dicas para você implementar um programa eficiente na operadora de planos de saúde. Confira!

Como surgiu e o que é o Promoprev?

O Promoprev surgiu com o intuito de “produzir saúde”, em vez de tratar apenas do problema. Segundo o diretor de Normas e Habilitação dos Produtos da ANS: “Temos que sair do modelo historicamente centrado na doença e estruturar ações voltadas ao cuidado integral e centrado na pessoa […]”. O diretor defende que só assim é possível evoluir e obter melhores resultados no campo da saúde.

Desse modo, desde 2004, a ANS atua estimulando as operadoras a mudarem a forma como lidam com a saúde da população, assumindo um papel de gestão e englobando programas que promovam a qualidade de vida.

Atualmente a ANS prevê o cadastramento, o investimento e o monitoramento dos programas do Promoprev. Entre 2009 e 2019, o número de programas cadastrados juntos à ANS subiu de 38 para 1868.

Segundo a ANS, os programas do Promoprev têm como objetivo:

  • promover a saúde;
  • prevenir riscos, bem como agravos e doenças;
  • promover o aumento da qualidade de vida;
  • abranger a compreensão da morbidade;
  • reduzir o tempo perdido devido à incapacidade do indivíduo.

Como a operadora deve atuar nesse cenário?

Cabe à operadora colocar em pauta a adoção e a capacitação de uma equipe multidisciplinar, a organização de workshops e seminários sobre saúde, a adoção de protocolos e o planejamento de programas que concordem com o Promoprev.

Além disso, a operadora deve estimular os beneficiários a participarem do Promoprev. Para isso, é preciso divulgar as práticas e, é claro, não proibir ou desencorajar o beneficiário em função da idade ou de alguma patologia pré-existente.

É interessante ressaltar que operadoras de planos de saúde que têm programas aprovados na ANS recebem incentivos regulatórios, enquanto os beneficiários podem receber bonificações e premiações. Esses benefícios abrangem, por exemplo:

  • desconto na mensalidade do plano de saúde (apenas aos beneficiários que participarem de iniciativas ligadas à promoção do envelhecimento ativo);
  • descontos em serviços;
  • brindes;
  • não pagamento da coparticipação em procedimentos relacionados ao programa.

Ações voltadas à prevenção são realmente eficazes?

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, as ações promovidas pelas operadoras de planos de saúde relacionadas à qualidade de vida na terceira idade foram responsáveis por uma redução de 70% das internações entre idosos que aderiram aos programas. Um número bastante expressivo, que mostra o impacto positivo da medicina preventiva, tanto na qualidade de vida quanto na redução de custos ligados a saúde.

O Ministério da Saúde também divulgou que, entre os fumantes que participaram das ações, 67% largaram o vício. Além disso, no que diz respeito à qualidade de vida, 62% dos beneficiários que aderiram ao Promoprev apresentaram redução do peso corporal.

Quais são as orientações da ANS?

A ANS estabelece 3 modelos nos quais as operadoras podem se basear para desenvolver os programas preventivos. Confira a seguir.

1. Programa para Gerenciamento de Crônicos

Nesse modelo, as ações são voltadas para pessoas que já têm doenças pré-diagnosticadas. Os programas que seguem esse modelo visam compreender o quadro do paciente, prevenir complicações secundárias e melhorar a qualidade de vida.

2. Programa para População-Alvo Específica

Esse modelo incorpora estratégias orientadas a grupos com características específicas, como determinada faixa etária, condições pré-existentes, pertencimento a grupos de riscos etc.

3. Programa para a Promoção do Envelhecimento Ativo ao Longo do Curso da Vida

Por fim, esse modelo engloba estratégias que buscam o envelhecimento saudável e a manutenção da “capacidade funcional” do indivíduo. As ações dessa modelagem não incluem apenas o público da terceira idade, e sim todas as faixas etárias, com foco no envelhecimento ativo.

Como criar um programa preventivo?

Agora que você já sabe quais são os modelos estabelecidos pela ANS, confira algumas dicas para a criação de programas preventivos.

Defina os objetivos e a área de atenção

Para traçar o objetivo do programa, é importante estabelecer a área de atuação. A ANS enumera 8 áreas de cuidado em saúde. São elas:

  • saúde da criança;
  • saúde do adolescente;
  • saúde do homem;
  • saúde da mulher;
  • saúde do idoso;
  • saúde mental;
  • saúde bucal;
  • portadores de necessidade especial.

Segundo o Ministério da Saúde, em 2016, 70,4% dos programas eram voltados à saúde do adulto e da pessoa idosa e 20, 2 % dos programas tinham foco especificamente na saúde da mulher.

Defina a população-alvo

Também é importante estabelecer alguns aspectos sobre a população escolhida. Essas informações incluem, por exemplo, abrangência demográfica e aspectos socioculturais, socioeconômicos e epidemiológicos. Essas informações são importantes para traçar um plano de ação mais objetivo.

Defina as ações que serão implementadas e quais são os resultados desejados 

Após estabelecer o público-alvo, a operadora deve estudar as necessidades da população e encontrar carências que podem ser supridas pelo programa. É essencial estabelecer indicadores e também metas a longo, médio e a curto prazo, como forma de mensurar a qualidade do programa.

Para cadastrar o programa junto à ANS, é preciso preencher um formulário eletrônico no prazo estabelecido pela entidade.

Como a tecnologia pode ajudar no Promoprev?

Para observar a população e traçar programas preventivos eficientes, é de suma importância analisar as informações de forma sistemática. A tecnologia permite otimizar o processo, identificando padrões, fatores de risco e dando respaldo para um planejamento mais adequado. Além disso, a tecnologia também ajuda na implementação das ações e no monitoramento dos resultados.

A Sharecare é líder global em gestão de saúde. Aliada à tecnologia e com especialidade na execução e no monitoramento de programas preventivos, a empresa é uma parceria vantajosa para operadoras de planos de saúde que desejam melhorar seus indicadores, implementando soluções e garantindo resultados.

Neste artigo, você conferiu a importância de adotar práticas que auxiliem a promoção da qualidade de vida e pôde entender como a ANS, por meio do Promoprev, estimula as operadoras a implementarem ações com esse intuito. Também recebeu algumas dicas de como criar um programa preventivo e viu como empresas de tecnologia, como a Sharecare, podem ajudar a operadora de planos de saúde.

Gostou deste conteúdo? Quer saber em mais detalhes como a Sharecare pode ajudar a sua operadora? Então, entre em contato conosco agora mesmo!