Descubra como conseguir a redução da sinistralidade na sua empresa

By 22 de janeiro de 2020Notícias

redução da sinistralidade

A redução da sinistralidade do plano de saúde empresarial deve ser um dos principais objetivos de qualquer gestor. Afinal, os custos com esse benefício podem ter muitos impactos no orçamento das empresas. Mas o que de fato é sinistralidade?

De forma geral, sempre que um usuário utiliza o plano de saúde para uma consulta, exame ou procedimento, caracteriza-se um sinistro. Portanto, a sinistralidade é um indicador que mostra a relação entre os procedimentos realizados e os prêmios (que são os valores pagos pela empresa em cada ocorrência).

Quer saber mais sobre o assunto e conseguir a redução da sinistralidade? Continue a leitura para conferir as nossas dicas!

Realize um diagnóstico populacional

No capítulo introdutório de qualquer livro renomado de Medicina, como o Harrison e o Cecil, a prevenção é sempre apontada como a ação mais eficaz em saúde. Seu objetivo é reduzir os fatores precipitadores e as condicionantes sociocomportamentais das doenças. Portanto, essa deve ser uma preocupação essencial na sua empresa.

No entanto, para atuar de forma eficaz, é importante não realizar campanhas preventivas genéricas, pois esse tipo de estratégia tende a não ter impacto significativo na saúde dos colaboradores e na redução de custos da companhia.

Para agir de maneira estratégica, uma boa solução é fazer um diagnóstico da saúde populacional dos colaboradores. Assim, é possível constatar quais são os agravos que têm mais impacto no grupo de usuários dos planos de saúde. Essa ação fornece insumos para agir de maneira específica e planejada.

Estimule os check-ups médicos

As consultas médicas periódicas são essenciais para o diagnóstico e tratamento precoce de doenças. Uma pesquisa conduzida no Japão analisou três grupos:

  • não utilizadores — não fizeram consultas médicas de rotina no último ano;
  • utilizadores de baixa frequência — fizeram menos de 3 consultas no último ano;
  • utilizadores de alta frequência — fizeram mais de 3 consultas no último ano.

A partir disso, foram calculadas as médias de despesas médicas de cada grupo em nível ambulatorial e hospitalar. Os dados são bastante interessantes:

  • os não utilizadores apresentavam custos hospitalares muito mais altos que os outros dois grupos;
  • os utilizadores de alta frequência representavam custos hospitalares menores, porém os ambulatoriais eram muito grandes;
  • os utilizadores de baixa frequência traziam menores despesas hospitalares e ambulatoriais.

Do ponto de vista da redução da sinistralidade, esses resultados são essenciais. Com a saúde física e mental em dia, os funcionários passam a acionar menos os planos, o que por si só já gera economia.

Promova hábitos saudáveis

Os hábitos saudáveis são importantes para a manutenção da saúde do corpo e da mente. Mas, devido principalmente à rotina de trabalho dos tempos atuais e ao estresse cotidiano, grande parte das pessoas acaba não se exercitando adequadamente e até mesmo negligenciando a alimentação.

Na correria do dia a dia, os fast foods ganham cada vez mais espaço nas refeições. Em contrapartida, um estudo publicado na revista Health Promotion Perspectives mostrou que o consumo desse tipo de alimento provoca um aumento do risco de diabetes, hipertensão e outras doenças cardiovasculares. Consequentemente, a tendência é que os colaboradores acionem com mais frequência os planos de saúde.

Desse modo, sua empresa pode criar estratégias que estimulem a adoção de hábitos saudáveis. Uma alternativa é contar com um programa de coaching preventivo que tenha o objetivo de eliminar fatores de risco.

Foque nos treinamentos

Os treinamentos são essenciais para a prevenção de acidentes de trabalho. Estima-se que, em todo o mundo, as empresas investem cerca de 8% do tempo dos seus colaboradores nesse tipo de atividade. Porém, na América Latina, esse número é inferior a 2%. Talvez essa seja a principal razão que leva o Brasil a ocupar a quarta colocação do ranking mundial de acidentes laborais.

Para prevenir esse tipo de ocorrência, é muito importante que a empresa ofereça capacitação aos colaboradores, para que eles:

  • saibam utilizar os equipamentos de proteção individual de forma adequada;
  • utilizem corretamente os planos de contingência e de urgência para situações de risco;
  • conheçam as práticas seguras para cada uma de suas tarefas etc.

Lembre-se de que, de acordo com a legislação trabalhista, a educação a respeito dos uso de EPIs e dos riscos ocupacionais cabe ao empregador. Em uma situação de acidente, caso seja constatado que os programas não foram suficientes, a Justiça pode deferir o pedido de indenização pelos empregados, mesmo que se comprove que a pessoa acidentada foi imprudente.

Revise as regras relacionadas à segurança

De acordo com o Observatório de Segurança e Saúde do trabalhador, a cada 3h40, alguém morre devido a um acidente de trabalho. Os acidentes graves são igualmente frequentes, sendo que as lesões mais comuns em 2018 foram:

  • corte e laceração, com 734 mil casos (21%);
  • fraturas, com 610 mil casos (17,5%);
  • contusão e esmagamento, com 547 mil (15,7%);
  • distorção e tensão, com 321 mil (9,2%);
  • lesão imediata, com 285 mil (8,16%)

Todas essas ocorrências são extremamente incapacitantes e podem potencialmente demandar internações prolongadas e cirurgias complexas.

De acordo com o procurador Leonardo Mendonça, coordenador nacional de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho, do Ministério Público do Trabalho, todas elas poderiam ser facilmente evitáveis com medidas de segurança e um ambiente laboral não só “limpo, mas saudável, que não seja propenso a adoecimentos”

Conte com auxílio especializado

Para conseguir a redução da sinistralidade do plano de saúde sem comprometer a saúde e o bem-estar dos colaboradores, a melhor estratégia é contar com auxílio especializado. A Sharecare, por exemplo, atua na gestão de saúde das empresas por meio de tecnologia de ponta e uma série de programas preventivos e individualizados.

Por meio de plataformas digitais e interações telefônicas, a Sharecare coleta as informações da população usuária, cruza com as informações de utilização do plano de saúde e implementa programas clínicos de gerenciamento. Alguns deles são:

  • Coaching em saúde;
  • Gestão de crônicos;
  • Saúde mental;
  • Envelhecimento Saudável;
  • Alta Hospitalar;
  • Gestão de ortopedia.

Uma outra ferramenta que contribui para a prevenção e, consequentemente, para a redução da sinistralidade do plano de saúde, é o aplicativo Sharecare. Por meio dele, cada colaborador pode acessar de maneira interativa ferramentas para avaliação global da sua saúde e dos seus hábitos cotidianos.

Como você viu ao longo do post, existem algumas ações capazes de contribuir para a redução da sinistralidade do plano de saúde. Mas tenha em mente que, ao investir em prevenção, treinamentos e ajuda especializada, a empresa não se beneficia apenas com redução de custos. Desfrutando de mais saúde e bem-estar, os colaboradores podem produzir mais e melhor e colaborar para um clima de trabalho benéfico para todos.

Quer saber mais sobre como podemos ajudar com a redução da sinistralidade do plano de saúde? Então, entre em contato com a Sharecare agora mesmo!