5 soluções para reduzir custos de visitas ao pronto-socorro

By 8 de outubro de 2020Notícias

Estratégias para reduzir visitas ao pronto-socorro são essenciais, tanto para otimizar o atendimento, quanto para evitar custos desnecessários. Esse é um dos fatores que costumam gerar desperdício nos planos de saúde. Segundo a Associação Nacional de Hospitais Privados (ANHP), por exemplo, o Brasil desperdiça anualmente cerca de 20% dos investimentos no setor.

Mas, afinal, o que pode ser feito para mudar esse cenário? Reunimos neste post as 5 principais soluções para reduzir as visitas ao pronto-socorre e os custos atrelados a elas. Confira!

1. Defina protocolos assistenciais

No Brasil, existe uma cultura de recorrer ao pronto-socorro para solucionar problemas em geral. Isso não significa apenas ir à emergência quando um sintoma é identificado, mas retornar ao hospital para tirar uma dúvida ou pedir uma orientação após ser desinternado.

É fácil perceber que isso gera um aumento nas filas e um custo que poderia ser evitado. Por isso, cada vez mais hospitais — e as próprias operadoras de planos de saúde — adotam protocolos assistenciais para acompanhar pacientes em diferentes momentos do tratamento. Um bom exemplo disso é o Programa Alta Hospitalar, da Sharecare.

Seu principal objetivo é reduzir o número de reinternações. Para tanto, a liberação do paciente é seguida do acompanhamento feito por uma equipe de especialistas da Sharecare. Assim, é possível assegurar que o paciente está seguindo as orientações médicas, administrando corretamente eventuais medicamentos, mantendo uma rotina saudável etc.

Consequentemente, há uma redução das idas ao pronto-socorro.

2. Automatize processos

Uma gestão automatizada da informação ajuda a otimizar processos ao longo de toda a jornada dos beneficiários do plano de saúde. Uma plataforma para gestão de prontuários médicos, por exemplo, permite que diferentes equipes médicas acessem todo o histórico do paciente e evitem a necessidade de uma nova triagem.

Vale destacar que a redução de custos não ocorre apenas quando a visita é evitada. Automatizar processos no atendimento gera agilidade — que, por sua vez, ajuda a aproveitar melhor os recursos, baixando as despesas operacionais.

Existem diferentes soluções tecnológicas que podem automatizar processos e eliminar atividades repetitivas executadas pelas equipes. Veja alguns exemplos:

  • chatbots para dar orientações e encaminhar o paciente ao canal de atendimento adequado;
  • sistema de agendamento online de consultas;
  • sistema de confirmação de consultas;
  • emissão de laudos online;
  • pulseira com código de barra.

As aplicações vão da gestão às atividades práticas. As pulseiras, por exemplo, são usadas para identificar quais medicamentos um paciente precisa receber, agilizando a rotina dos enfermeiros.

3. Estabeleça horários fixos

Demandas específicas podem gerar um aumento desproporcional no fluxo de acesso ao pronto-socorro. Ficar atento aos indicadores do atendimento é fundamental para identificar esse tipo de situação. A pandemia da COVID-19 é um grande exemplo disso.

Com a demanda por testes crescendo, a tendência é que o pronto-socorro passe por um aumento crescente do número de pacientes. Contudo, as especificidades da COVID-19 fazem com que nem todos que procuram um médico estejam de fato precisando de atendimento emergencial — e o pico de acessos, para piorar, pode aumentar o risco de contaminação.

Nesse sentido, vale a pena criar horários fixos para determinados casos, otimizando o processo de triagem e os demais serviços realizados. Isso nos leva a um ponto complementar.

4. Invista em educação e conscientização

A informação é uma aliada valiosa para a gestão de planos de saúde. Em muitos casos, ela é suficiente para solucionar diversos problemas. A superlotação do pronto-socorro é um exemplo disso. Como mencionamos, parte do problema é causada pela ida desnecessária à emergência.

Conscientizar os beneficiários do plano de saúde sobre o tipo de atendimento realizado em cada canal ajuda a reduzir o fluxo de atendimento emergencial e redirecionar casos específicos para consultas com os especialistas. A medicina preventiva, por sua vez, também pode colaborar com a questão.

Educando os beneficiários para que eles tenham hábitos mais saudáveis — como se alimentar corretamente, praticar exercícios físicos, cuidar da saúde mental etc. — ajuda a reduzir significativamente a demanda por atendimento emergencial.

A saúde 4.0 é um conceito que lida diretamente com essa questão, como mostraremos na dica a seguir.

5. Direcione o beneficiário para o canal adequado

A transformação digital vem fortalecendo o uso da tecnologia nas áreas da saúde, beneficiando tanto usuários, quanto profissionais e empresas do setor. Soluções como o Ligue Saúde da Sharecare, por exemplo, permitem que o atendimento seja mais completo e humanizado, atendendo com mais eficiência às demandas dos pacientes.

E como isso ajuda a reduzir visitas ao pronto-socorro? Para começar, orientando os beneficiários. No Ligue Saúde, uma equipe de médicos e enfermeiros está disponível 24 horas por dia para ouvi-los. Além de tirarem dúvidas, esses profissionais direcionam o beneficiário ao canal mais adequado para seu atendimento, que pode, inclusive, ser via telemedicina.

Sem sair de casa, a pessoa ouve o que um especialista tem a dizer antes de tomar uma decisão que poderia levar mais tempo para resolver seu problema. Se for realmente um caso de ida ao pronto-socorro, ela será orientada a isso. Caso o problema exija um especialista, o beneficiário é direcionado para agendar uma consulta na área certa.

Vale destacar que a equipe da central de atendimento pode auxiliar ainda em questões relacionadas à desinternação e em tratamentos em geral. Caso a pessoa tenha dúvidas sobre como administrar um remédio ou mesmo qual a importância disso, ela pode contar com esses especialistas.

O resultado é uma redução expressiva no fluxo de acesso ao pronto-socorro. Além da própria economia de recursos que isso representa, o Ligue Saúde ajuda a direcionar o paciente aos canais adequados de atendimento, otimizando a navegação dos serviços de saúde.

São diferenciais que fazem das soluções Sharecare aliadas valiosas para clínicas, hospitais e operadoras de plano de saúde. Em tempos de pandemia, é fundamental investir nesse tipo de iniciativa para reduzir o volume de atendimentos desnecessários e otimizar ao máximo o trabalho das equipes médicas.

Como você pôde ver, é possível reduzir visitas ao pronto-socorro com ações inteligentes e uma dose de tecnologia. Então, coloque essas dicas em prática e conquiste esses resultados para sua empresa!

Quer entender melhor como esse tipo de solução pode ser implementada no seu contexto? Então, entre em contato com a Sharecare e fale com quem é especialista no assunto!