Em 2017, uma funcionária de uma empresa de tecnologia dos Estados Unidos informou à equipe de trabalho que se ausentaria por dois dias para cuidar de sua saúde mental. No entanto, ela não contava que receberia o seguinte e-mail do CEO da companhia:

“Eu só queria pessoalmente agradecer a você por enviar mensagens como essas à sua equipe. Toda vez que você faz isso, eu me lembro da importância de usar dias de folga para a saúde mental — e eu não posso acreditar que isso não seja recorrente em outras empresas. Você é um exemplo para todos nós e nos ajuda a superar um estigma.”

A troca de e-mails viralizou nas redes sociais e suscitou muitos debates sobre saúde mental no trabalho, afinal, esse tipo de assunto frequentemente é deixado de lado e até mesmo negligenciado pelas companhias.

Neste post, vamos abordar a importância da saúde mental no trabalho e apontar caminhos para que as empresas sejam capazes de repensar a maneira de lidar com o bem-estar dos colaboradores. Acompanhe!

Como o comprometimento da saúde mental no trabalho impacta a empresa?

Desde a troca de e-mails entre Madalyn Parker e o CEO da empresa alguns anos já se passaram. No entanto, o cenário não mudou muito quanto à maneira como as empresas lidam com saúde mental no trabalho.

Ainda que muitos gestores ou profissionais de RH não percebam, as consequências dos danos à saúde mental são sentidos tanto pelos próprios funcionários, quanto pela empresa, o que impacta na produtividade e, consequentemente, no faturamento.

Confira a seguir algumas consequências desse cenário para as companhias.

Baixo rendimento da equipe

Independentemente da função desempenhada, a mente é sempre uma das partes mais exigidas do corpo durante o expediente de trabalho. Afinal, é dela que vem o foco e a concentração necessária para realizar qualquer atividade.

Por esse motivo, um funcionário se torna incapaz de produzir com qualidade quando está com a saúde mental comprometida. O cenário se complica ainda mais quando, como reflexo do baixo rendimento, o colaborador passa a se cobrar ainda mais.

Nesses casos, é comum haver redução da motivação, sensação de desvalorização e até mesmo falta de comprometimento com os resultados.

Aumento da taxa de turnover

Uma consequência direta da baixa motivação é o aumento do turnover, ou seja, da rotatividade de pessoal. Esse é um fato preocupante para qualquer empresa, uma vez que investe-se muito tempo, dinheiro e mão de obra a cada contratação.

Além do prejuízo financeiro, o aumento do turnover também impacta no capital intelectual de uma corporação. A contratação de um novo colaborador exige investimento de tempo, até que ele alcance a maturidade nos processos e em suas novas atividades. A empresa pode perder velocidade, atrasar as entregas e consequentemente, sofrer uma queda importante nos resultados.

Aumento do absenteísmo

A saúde mental em baixa também impacta no aumento do absenteísmo por parte do empregado. A ausência de motivação para exercer as atividades, aliada à falta de acompanhamento dos líderes, muitas vezes leva o profissional a não comparecer ao trabalho ou a chegar atrasado com frequência.

Além disso, é muito comum que alguns sinais de estresse passem a acompanhar o colaborador nesse momento, o que pode levar a um afastamento mais longo, por orientação médica. Prova disso é que, desde 2011, os transtornos mentais e o estresse são considerados a terceira maior causa dos longos afastamentos por doença no Brasil.

Esse índice é tão preocupante que, só em 2014, essas ausências representaram para o Brasil cerca de 35 milhões de dias parados, conforme um estudo feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Aumento dos custos

Todos as consequências decorrentes da saúde mental abalada refletem em um prejuízo ainda maior para a empresa: o aumento dos gastos.

Isso porque tal situação leva à necessidade de a empresa investir capital e esforços em maneiras de compensar a falta do empregado ou mesmo sua dificuldade de atingir os resultados.

Indo um pouco além, também podemos mencionar outra situação: os cancelamentos de contratos de clientes, em decorrência da baixa qualidade das entregas de um colaborador com saúde mental comprometida.

Como reverter esse quadro?

Já ficou claro até aqui que prezar por uma boa saúde mental no trabalho é de importância fundamental, tanto para o funcionário, quanto para a companhia.

A boa notícia é que existem maneiras de promover um ambiente muito mais favorável para a produtividade e bem-estar de todos. Quer saber como? Continue acompanhando!

Proporcione um ambiente aberto e confortável

Promover um ambiente de trabalho com horários mais flexíveis e gestores empáticos aos problemas dos colaboradores é um ótimo ponto de partida para cuidar da saúde mental dos profissionais.

Avalie se na sua empresa há um modelo de gestão transparente, que caminha lado a lado com o desenvolvimento profissional e pessoal de cada um da equipe. Isso ajuda os profissionais a se sentirem valorizados e incentivados e a buscar um crescimento cada vez maior.

Invista em pacotes de remuneração e benefícios

Não tem jeito: o salário está sempre diretamente ligado à satisfação do colaborador. Por mais que o ambiente de trabalho seja bom e que a empresa ofereça equipamentos de qualidade, um bom salário no fim do mês faz toda a diferença.

Sendo assim, sempre que possível, invista em bons pacotes de benefícios e em uma remuneração atrativa para cada cargo. Elaborar um plano de carreira sólido e possível de ser alcançado também é uma ótima forma de manter os funcionários engajados e comprometidos com os resultados.

Acompanhe o bem-estar de sua população

Procure ficar de olho no clima da sua equipe e faça do feedback uma prática recorrente. Se possível, procure também realizar avaliações mais amplas e completas de bem-estar, levando em consideração questões pessoais, emocionais, físicas e socioambientais. Hoje, já é possível utilizar ferramentas que calculam o índice de bem-estar entre os colaboradores e disponibiliza relatórios com o percentual alcançado em cada pilar – pessoal, físico, financeiro, emocional.

Não se esqueça de analisar os resultados e promover ações para amenizar as situações que ainda não estiverem de acordo com o esperado.

Conte com uma estratégia de gestão de saúde

Contar com uma gestão de saúde e de qualidade de vida no ambiente corporativo reflete em bons resultados. Mas, ao contrário do que muitas empresas pensam, é preciso ir além de ações isoladas.

Procure fazer uma análise completa do perfil de saúde dos seus colaboradores, a fim de entender quais são os problemas de saúde que mais impactam nos custos e na rotina da empresa. Com base em indicadores e em dados concretos, é possível planejar a implementação de estratégias mais acertadas e que, de fato, promovam bons resultados.

Como você viu, o impacto de não cuidar da saúde mental no trabalho é grande para todas as partes envolvidas. Por isso, é fundamental que as empresas valorizem cada vez mais o cuidado da mente e criem estratégias para que os colaboradores se sintam saudáveis e motivados para exercerem as atividades do dia a dia.

Este conteúdo foi útil pra você? Então, deixe o seu comentário abaixo e compartilhe conosco como você promove e incentiva a boa saúde mental dos colaboradores na sua empresa!