O crescimento dos dados, o avanço da tecnologia da informação (TI) e da Internet das Coisas (Iot) devem revolucionar o mercado de saúde nos próximos anos. Estimativas apontam que atualmente são gerados 2,2 milhões de terabytes em dados diariamente; o segmento B2B de IoT gerará mais de US$ 300 bilhões anualmente até 2020 e a taxa média de crescimento de apps do mercado health cresce 25% ao ano. 

Mas, se por um lado já são observados grandes avanços no que diz respeito ao uso da TI em hospitais, clínicas, laboratórios, indústrias, centros de medicina diagnóstica e operadoras de planos de saúde, o mercado de saúde ainda carece de mais interconectividade, bancos de dados mais eficientes e não relacionais, evitando a fragmentação do atendimento e dados dos usuários.

Com o objetivo de melhorar a comunicação entre as áreas, a mobilidade nas atividades médicas, o acesso a uma visão geral dos negócios e, principalmente, a prestação de cuidados ao paciente, a  Sharecare, que é líder mundial em saúde digital, vem utilizando o que há de mais inovador em códigos em linguagem de programação de alto desempenho e base em API`s (application programming interface) para integrar dados em um único sistema.

“As principais vantagens da saúde 4.0 é o acompanhamento diário da saúde na palma das mãos, devido à disponibilidade dos dados e a possibilidade de compartilhar isso com os melhores especialistas do mundo”, afirma Jeone Miranda, diretor de Tecnologia da Informação da Sharecare Brasil. Dessa forma, a saúde 4.0, auxilia diretamente as empresas a desenvolver uma gestão de saúde com economia nos custos sem deixar de lado a qualidade e o bem-estar do funcionário.