Para as operadoras de saúde, o gasto com ortopedia representa cerca de 10% do custo total do sinistro e 80% deste gasto estão relacionados às internações e cirurgias. Já para as empresas, a melhora nas condições de trabalho dos colaboradores, bem como na prevenção de acidentes de trabalho, podem reduzir o valor do Fator Acidentário de Prevenção (FAP) e do Seguro de Acidente de Trabalho (SAT), hoje denominado Grau de Incidência de Incapacidade Laborativa Decorrente dos Riscos Ambientais do Trabalho (GILRAT), reduzindo os custos de contribuição previdenciária, que pode variar de 0,5 a 6% na folha de pagamento.

 

Como solucionar?

O programa ‘Gestão em Ortopedia’ da Sharecare surgiu para contribuir no desenvolvimento de ações eficazes para redução desses gastos dentro das empresas e operadoras de saúde, além da queda de absenteísmo e do aumento da produtividade dos colaboradores e aumento da qualidade de vida dos beneficiários. Desenvolvido com a utilização de tecnologia e telemonitoramento, permite acompanhar a saúde das pessoas à distância, para as pessoas com nível baixo e médio de dor, em qualquer lugar do País, e avaliar grupos de risco.

Para dores mais intensas, dentro do conceito de cuidados contínuos e integrados, a solução propicia o contato do paciente com a rede de médicos, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos e educadores físicos, com o foco em prevenção, além do acompanhamento de alta hospitalar, evitando casos de reinternação. Por meio do acompanhamento da evolução da dor, é possível ter um diagnóstico e um tratamento adequado, que vai além do tratamento das lesões. A gestão do cuidado é abrangente e envolve o equilíbrio do corpo de forma global, incluindo a conscientização em adotar hábitos saudáveis.

“Cerca de 30% da população geral faz algum procedimento em ortopedia em um período de 12 meses. E a prevalência dos sintomas cresce com a idade”, afirma Dra. Ana Cláudia Pinto, diretora de Produtos e Soluções Digitais da Sharecare Brasil. “Para as empresas, além dos custos diretos em ortopedia, há ainda os custos indiretos, como afastamentos, absenteísmo e queda de produtividade. Por isso, buscamos engajar os próprios colaboradores e beneficiários, das empresas e operadoras de saúde, no cuidado individual diário”, completa.

 

Identificando outros fatores

A solução permite, ainda, identificar e acompanhar fatores de saúde que são erroneamente encaminhados às clínicas de fisioterapia, como problemas de coluna e dores generalizadas relacionadas à fibromialgia e a neuropatia diabética, depressão, entre outras dores crônicas. Para isso, como recurso adicional do programa Gestão em Ortopedia, completando o cuidado contínuo, há a possibilidade de associar outros programas clínicos da Sharecare com os cuidados relacionados às doenças crônicas, no programa Gestão de Crônicos, e à terceira idade, no programa Envelhecimento Saudável.