Nutricionista na atenção primária à saúde: entenda a sua relevância

27 de dezembro de 2021
nutricionista na atenção primária

Já parou para pensar na importância de um nutricionista na Atenção Primária à Saúde (APS)? Esse profissional pode fazer toda a diferença, seja no atendimento de pacientes, seja no preparo ou promoção de campanhas sociais. A sua gama de possibilidades nesse contexto é ampla, devendo ser conhecida para ser bem aproveitada.

No nosso post de hoje, vamos abordar o papel dessa profissão para a Atenção Básica e suas principais contribuições dentro de uma equipe multidisciplinar. Se ficou curioso e quer saber mais, continue a leitura até o final! Vamos lá?

O nutricionista na Atenção Primária à Saúde

A Atenção Primária à Saúde (APS) é a porta de entrada da população para os serviços que promovem seu bem-estar e qualidade de vida. Ela é responsável por garantir o direito a uma vida saudável ao proporcionar conhecimentos, incentivos a práticas adequadas, assistência às pessoas em suas necessidades e encaminhamento para os níveis secundário e terciário, quando isso se faz preciso. 

A intenção é tornar os cuidados mais acessíveis, acompanhando as demandas gerais e as de cada grupo social. Assim, a Atenção Primária contempla os diferentes âmbitos da saúde, como o emocional, o fisiológico e, claro, o nutricional. O nutricionista pode atuar tanto em campanhas e projetos coletivos quanto em atendimentos individuais. O fato é que seu trabalho faz toda a diferença, já que a alimentação é uma das bases do bem-estar, da prevenção de doenças e de seu tratamento.

As práticas da nutrição para a saúde

Para potencializar a atuação do nutricionista na Atenção Primária, é preciso desconstruir uma série de ideias pré-concebidas acerca da profissão. É comum associarem o seu trabalho apenas a orientações sobre dietas restritivas, por exemplo, quando muitas vezes, na realidade, essa nem é a prática mais adequada. O profissional e seus colegas devem ter uma visão ampla e consciente quanto às possibilidades de contribuição da área, oferecendo o melhor apoio para a população. 

O nutricionista pode, por exemplo, realizar um diagnóstico da situação alimentar e nutricional de um grupo, identificando as condições do contexto, os efeitos e riscos à sua saúde e as principais demandas nesse sentido. Deve-se avaliar não apenas o cenário, mas suas diferentes causas, como a falta de renda para investir na alimentação, ausência de higiene nos locais de compra ou a necessidade de informação e conhecimento.

A partir disso, o profissional pode participar do planejamento e da criação das devidas ações, como campanhas de conscientização ou programas e redes de apoio. Ele pode unir seu olhar diferenciado ao dos demais membros da equipe, gerando uma abordagem mais completa e eficiente sobre o assunto. 

Para além das questões coletivas, há também a realização de consultas e acompanhamentos individuais, nas quais são observadas as necessidades de cada pessoa. Aqui, ainda é preciso considerar o contexto, incluindo as condições domiciliares e familiares que afetam a nutrição.

São inúmeras as demandas nas quais um nutricionista pode atuar, desde o incentivo à qualidade de vida até o enfrentamento de doenças, como combater a obesidade, entre outras. Afinal, como já comentamos, a alimentação é uma das bases para uma vida saudável e influencia em todos os casos. É possível trabalhar diretamente com o público, atendendo em espaços como as Unidades Básicas de Saúde (UBS), em pesquisas e em ações mais estratégicas. 

A importância de investir em uma equipe completa para APS

O nutricionista ainda enfrenta grandes desafios para atuar na APS, sendo que muitos estão ligados à falta de reconhecimento pelo sistema e pelos colegas de equipe. É importante compreender sua relevância, assim como a de cada uma das profissões que compõem a área da saúde. O trabalho multiprofissional e interdisciplinar é o que promove impactos mais significativos, contribuindo para os indicadores de bem-estar e a redução de problemas.

A nutrição é uma importante aliada da prevenção de doenças, assim como de uma gestação segura e saudável, por exemplo. Ao mesmo tempo, ela demanda um olhar para aspectos emocionais e culturais da comida, sendo interessante atuar junto a um psicólogo tanto em casos particulares quanto em coletivos. O trabalho em conjunto permite uma visão integrada, que possibilita intervenções mais consistentes e assertivas.

Para além de tratar problemas, a APS precisa investir em escuta, acolhimento e conscientização do público para humanizar as práticas em saúde e disseminar ações preventivas e de cuidado entre a população. Isso se torna mais eficaz quando as equipes se unem, em vez de trabalhar de maneira segregada. 

O nutricionista e a telemedicina na APS

A telemedicina visa ampliar o acesso à saúde e facilitar processos da área. Trata-se, basicamente, do apoio de recursos tecnológicos para diversos serviços, como entrega de resultados e atendimentos online. No caso do nutricionista, destaca-se a realização de teleconsultas, que ocorrem a partir de uma plataforma segura, sem que o paciente precise se deslocar até o profissional.

Essa é uma forma de facilitar e incentivar um acompanhamento nutricional. É claro que ainda são necessárias as consultas presenciais, já que há pessoas que não possuem um bom acesso à internet. Contudo, a tecnologia já contribui para grande parte da população, evitando até mesmo a lotação dos centros e unidades de cuidado. O profissional também pode enviar as devidas orientações por meios digitais, exigindo a locomoção do paciente apenas quando se deve fazer exames.

O uso da internet permite que mais grupos tenham acesso a esse serviço, tornando-o uma possibilidade inclusive para quem nunca considerou receber orientações nutricionais, como moradores de cidades onde não há profissionais do ramo. Entretanto, vale lembrar que, para além de oferecer a oportunidade, é importante realizar um trabalho de informação e conscientização, já que nossa sociedade também tem preconceitos em relação à profissão. Isso é válido para toda a população.

Agora, você já sabe como funciona a atuação de um nutricionista na Atenção Primária! Vale lembrar ser importante investir na capacitação adequada de tais profissionais, assim como de toda a equipe, para uma prática humanizada, consciente e aprofundada.

Esperamos que tenha gostado do conteúdo. Para ampliar ainda mais suas reflexões, não deixe de conferir nosso post sobre a importância da experiência do paciente!

Panorama sobre os custos da obesidade para o sistema de saúde brasileiro