Engaje os beneficiários em programas de saúde seguindo 6 passos

2 de junho de 2021
Programas de saúde

Programas de saúde estimulam a medicina preventiva e ajudam as pessoas na adoção de bons hábitos para uma vida com mais qualidade. Dessa maneira, podem ser usados pelas operadoras de saúde como estratégias para evitar procedimentos desnecessários, reduzir custos, dificultar fraudes e incentivar um melhor uso dos serviços.

É preciso ressaltar, entretanto, que tais objetivos só são alcançados se existir o engajamento dos beneficiários nas ações promovidas. É a partir desse envolvimento que eles se motivam e entendem a real importância do autocuidado.

No material que preparamos aqui, você ficará por dentro dos 6 principais passos para engajar os beneficiários nos programas de saúde. Para isso, contamos com a ajuda de Dra. Jane Teixeira — Gerente de Produtos e Soluções Digitais na Sharecare — e Mauricio Lima — Gerente de Implantação na Sharecare —, que contribuíram com informações relevantes. Acompanhe!

1. Colha e estratifique dados importantes

Outro passo é conhecer o perfil dos beneficiários. Ao mapear a população, por meio de gestão de dados, é possível identificar os principais problemas, fazer um diagnóstico prévio das necessidades e prioridades, compreender como as pessoas utilizam os recursos de saúde, descobrir condições crônicas e identificar grupos de risco, por exemplo.

Essas informações possibilitam segmentar os beneficiários em grupos, de acordo com o perfil de cada um, facilitando a promoção de ações específicas às condições, preferências e necessidades. Ao personalizar os programas de saúde, eles se tornam mais atrativos, o que aumenta as chances no engajamento.

Outra vantagem de uma colheita e análise de dados é poder criar indicadores de saúde. Eles facilitam o planejamento das ações dos programas, além de permitirem um monitoramento dos resultados e posteriores melhorias.

2. Explique a importância dos programas de saúde

As pessoas só aderem às ações nas quais conseguem enxergar vantagens, por isso elas precisam entender o que podem ganhar ao participarem de programas de saúde.

Dra. Jane recomenda criar ações para deixar as informações bem claras: “sugiro uma forte comunicação, para que todos entendam o que é o programa de saúde, quais seus benefícios e como ele pode contribuir. É preciso divulgar, tirar dúvidas e dar esclarecimentos”.

Crie uma cultura de saúde. É importante que as pessoas se interessem pelos cuidados preventivos e tenham conscientização de como os bons hábitos impactam a disposição física e mental.

3. Invista em uma relação próxima com os beneficiários

Para existir o engajamento do paciente, ele precisa confiar na instituição que está promovendo o programa de saúde ou realizando a recomendação. Esse sentimento de confiança costuma nascer a partir de uma autêntica relação.

Por isso, invista em formas de os beneficiários se sentirem mais próximos para que enxerguem credibilidade na promoção das ações. A internet e a tecnologia podem facilitar esse passo ao apostar em interações e comunicações por redes sociais, e-mail e blog.

Crie conteúdos relevantes, estimule os diálogos e dê atenção às mensagens recebidas. Além disso, tenha canais de atendimento que facilitam o contato.

4. Melhore a experiência do paciente

A experiência do paciente se traduz na forma como ele se sente durante todos os pontos de contato ao ser atendido ou receber um tratamento médico. Envolve os atendimentos dos profissionais, a estrutura do hospital, a espera na autorização de um exame, a demora no diagnóstico, entre outros detalhes.

Sendo assim, será que os beneficiários estão satisfeitos com os serviços oferecidos pelo plano de saúde e pelos hospitais e clínicas conveniadas? A forma como eles se sentem pode influenciar na motivação para se relacionarem com a operadora e participarem dos programas de saúde.

Entenda o que eles precisam, analise como enxergam os serviços e identifique as falhas. Os beneficiários se sentirão mais engajados para participar dos programas de saúde se perceberem que a operadora realmente se importa.

5. Ofereça conteúdos educacionais

A educação em saúde também é essencial. Quando as pessoas têm informações confiáveis, elas têm mais preparo para adotar condutas adequadas. Entender assuntos relacionados à saúde faz com que compreendam a necessidade do autocuidado. 

Essa educação proporciona mais autonomia e consciência para que os beneficiários tenham ações preventivas e busquem os recursos apropriados a cada problema, o que facilita o engajamento aos programas de saúde.

Dra. Jane chama a atenção para a realidade na rotina de muitas pessoas hoje em dia: “muitos de nós passamos a maior parte dos nossos dias dedicados a atividades de trabalho, o que influencia diretamente nossa saúde física e emocional. Por outro lado, a saúde também interfere em nosso rendimento”, explica.

Assim, refletindo sobre essas palavras, será que os beneficiários estão tendo a autoconsciência de como têm levado a vida? Talvez valha a pena fazer com que pensem sobre isso.

Alguns temas para conteúdos educacionais são:

  • bem-estar: comportamentos simples e atividades físicas frequentes podem fazer diferença na qualidade de vida;
  • saúde mental: sempre foi importante falar sobre depressão, ansiedade e outros transtornos mentais. Além disso, ações preventivas de saúde mental reduzem os custos assistenciais da operadora de saúde;
  • problemas crônicos: hipertensão e diabetes são exemplos de condições que contribuem para que o beneficiário tenha a necessidade de usar o plano com mais frequência, principalmente quando não há o cuidado devido com a doença;
  • envelhecimento saudável: a longevidade do beneficiário propicia uma vida com menos problemas graças ao incentivo da medicina preventiva. 

6. Promova a gamificação

A gamificação é uma estratégia que adota entretenimento, técnicas lúdicas, desafios e conquistas, incentivando assim a participação e o comprometimento das pessoas, por isso pode ser usada para motivar a adesão aos programas de saúde.

A inovação tecnológica torna essa ideia acessível. Hoje, já existem plataformas, aplicativos e chatbots que promovem a interação dos usuários, tornando qualquer processo mais divertido e interessante. Com a ajuda da inteligência artificial, esses recursos contribuem para a educação, motivação e monitoramento de populações. 

A Sharecare conta com um portfolio amplo e trabalha com diversos dos passos recomendados ao longo do artigo. Gestão de dados, gamificação, promoção de conteúdos, acompanhamento e relacionamento com o paciente são exemplos do que você pode encontrar.

“A Sharecare oferece um ecossistema completo de soluções, que podem ser personalizadas de acordo com a necessidade de cada cliente. O aplicativo, por exemplo, mapeia a população e oferece ações conforme os riscos identificados. A estrutura de Atenção Primária Digital cuida da população total, com linhas de cuidado de promoção à saúde e de prevenção”.

“Para casos mais específicos, programas clínicos como os de gestão de crônicos, gestão de casos ortopédicos e saúde mental podem ser identificados. Também atuamos na atenção às urgências e emergências, com o Pronto Atendimento Digital 24h.”, relata Mauricio.

Enfim, promover programas de saúde e incentivar a participação dos beneficiários é essencial para que as operadoras de saúde consigam atingir objetivos importantes como a diminuição dos custos assistenciais e o contínuo crescimento na adesão dos contratos. A Sharecare tem a solução certa para ajudar nesse sentido.

Achou as dicas interessantes? Caso precise de orientações mais específicas, é só entrar em contato!