Conheça a Síndrome de Burnout e veja como evitar esse quadro no time

25 de agosto de 2021
Experiência do paciente

Com o mercado de trabalho cada vez mais exigente e competitivo, é comum ver pessoas cansadas e estressadas em função das suas atividades laborais. Porém, é importante atentar para esses e outros sintomas recorrentes, como sensação de exaustão, isolamento, inferioridade e angústia ao ir trabalhar, pois podem indicar a Síndrome de Burnout.

Ao pensar em saúde mental no trabalho, essa condição é um tema que tem sido muito discutido. Isso acontece porque o estado de esgotamento resulta em uma vida profissional desgastante e sobrecarregada, que pode ser extremamente prejudicial ao emocional e físico do colaborador. Além disso, causa incapacidade para lidar com as tarefas do dia a dia.

Dada a importância desse assunto, preparamos este artigo para que você entenda o que é a Síndrome de Burnout, seus sintomas e como evitar esse quadro em sua empresa. Acompanhe!

O que é a Síndrome de Burnout?

A Síndrome de Burnout é um fenômeno ocupacional caracterizado pelo esgotamento profissional. Entretanto, ela não é considerada uma doença, mas uma das condições que interfere no estado de saúde de um indivíduo.

Para o Ministério da Saúde, esse quadro de distúrbio emocional tem como principal causa o excesso de trabalho. Isso em especial quando a função é desgastante e não satisfatória, além de demandar grandes responsabilidades e muita competitividade.

Geralmente, essa síndrome atinge os profissionais que trabalham por longos períodos com tarefas repetitivas, ou que lidam intensa e diretamente com pessoas no dia a dia, como na área da saúde, educação, segurança pública e recursos humanos.

Como esse problema se desenvolve dentro das empresas?

Muitos acreditam que a Síndrome de Burnout está relacionada com o colaborador que atua com excesso de tarefas criativas, atividades braçais ou serviços tecnológicos. Mas, a verdade é que qualquer pessoa pode se deparar com esse problema em determinado momento da carreira, independentemente da sua posição de hierarquia na empresa.

No entanto, essa disfunção apresenta um padrão de causas que favorece a sua manifestação, tais como:

  • acúmulo de funções em um mesmo cargo, especialmente em setores que o profissional não domina;
  • desvalorização profissional constante, da equipe e de supervisores;
  • jornada de trabalho longa e cansativa;
  • atividades frequentes de risco, que exijam atenção extra para a própria proteção;
  • cobranças excessivas, julgamentos e críticas dos supervisores;
  • ambiente de trabalho sem os equipamentos necessários para a atividade do profissional;
  • a necessidade de levar o serviço para casa ou realizar horas extras para concluir as tarefas com prazos apertados;
  • conflitos entre a equipe, que resultam no clima organizacional pesado.

Como a Síndrome de Burnout coloca em risco a saúde dos colaboradores?

A Síndrome de Burnout faz com que o colaborador se sinta incapaz de realizar uma tarefa, por mais simples que ela possa parecer. Isso porque ele tem dificuldade para memorizar e se concentrar, gerando baixa criatividade. Também causa sentimento constante de negação das próprias competências e habilidades, além da necessidade de se isolar socialmente.

Devido a essa situação, a relação com os colegas de equipe acaba sendo afetada e o desempenho do profissional diminui drasticamente, fazendo com que ele passe a dar menos importância ao próprio emprego.

Contudo, as consequências não colocam somente a carreira profissional em risco, mas também a vida pessoal e a saúde. O colaborador que apresenta a síndrome tem tendência em desenvolver doenças psicológicas, como depressão e ansiedade.

Seu sistema imunológico fica comprometido, mais vulnerável a gripes, resfriados e outras doenças infecciosas. Mais um fator preocupante é que, para aliviar o estresse, diversos trabalhadores recorrem ao consumo de tabaco, medicamentos sem prescrição, bebidas alcoólicas e drogas ilícitas, levando à piora do seu quadro mental e físico.

Como a Síndrome de Burnout prejudica a empresa?

Dentro da empresa, essa situação também causa prejuízos. Isso pode ocorrer em função do absenteísmo e de licenças do trabalho. O afastamento do colaborador por tempo indeterminado, ou a desistência do cargo, desfalca a equipe e prejudica os resultados.

Quando se mantém trabalhando, esse colaborador não apresenta a mesma produtividade. Como você viu, ele sente dificuldade para se concentrar, tem falha de memória e seu raciocínio não funciona tão bem quanto poderia. Logo, a qualidade do seu trabalho cai, o que prejudica a entrega de todo o time.

Não podemos esquecer, ainda, os impactos psicológicos que a Síndrome de Burnout provoca. Mesmo sem intenção, esse colaborador com problemas pode abalar o clima organizacional. Conflitos acontecem, assim como a dificuldade de trabalhar em equipe, o que também vai atrapalhar os resultados da organização.

Considere, também, que a empresa que faz com que seus trabalhadores cheguem ao limite não terá uma boa reputação. Isso vale entre seus colaboradores, os talentos em busca de oportunidades, seus fornecedores e até mesmo clientes. A marca ganha a fama de ser uma má empregadora.

Quando um colaborador desenvolve a Síndrome de Burnout, é sinal de que há um contexto que afeta a equipe. Logo, é preciso melhorar a forma como isso é gerenciado, pois outras pessoas também podem apresentar esse problema.

Como evitar os prejuízos causados pela Síndrome de Burnout?

É essencial adotar estratégias para evitar os prejuízos da Síndrome de Burnout. Para isso, precisamos manter os colaboradores engajados, a fim de trabalhar ações e políticas para proporcionar um clima organizacional agradável, com um ambiente de trabalho saudável.

Os gestores têm um papel importante nessa questão, pois devem observar o comportamento dos colaboradores. Assim, podem identificar qualquer sinal de insegurança ou descontentamento.

Além disso, é fundamental conversar com os trabalhadores sobre a importância de manter o equilíbrio entre o trabalho e o lazer. Vale criar um local humanizado com recursos para que eles possam cuidar do bem-estar e da saúde, proporcionando satisfação profissional e pessoal.

Isso pode ser alcançado por meio de ações, como:

  • adoção de fluxos de trabalho;
  • novas normas internas de conduta;
  • flexibilização da jornada de trabalho;
  • delegação rotatória de atividades;
  • cultura de feedbacks;
  • metas conforme a realidade da empresa.

Existem outros fatores que podem levar o colaborador ao esgotamento. Por isso, é necessário repensar a cultura da organização e seus processos para garantir a saúde no trabalho. A orientação constante a respeito da saúde física e mental, assim como o acompanhamento mais próximo, fazem a diferença. Para isso, você pode contar com a parceria da Sharecare.

Entre suas soluções, a Sharecare dispõe de uma nova abordagem para a saúde mental, que estratifica os problemas emocionais por área dentro das empresas. Assim, é possível cuidar dos trabalhadores, evitando a Síndrome de Burnout e outras condições comuns no ambiente de trabalho, mantendo a produtividade da organização.

As soluções da Sharecare podem ser personalizadas conforme as necessidades do seu time e empresa. Entre em contato conosco para conferir como podemos contribuir com a saúde dos seus colaboradores!