Existe tratamento para síndrome de Burnout? Entenda!

5 de janeiro de 2022

Será que existe tratamento para Síndrome de Burnout? Esse tem sido um assunto cada vez mais comentado entre os temas de saúde e bem-estar dos colaboradores de uma empresa. Afinal, esse problema se intensificou consideravelmente no Brasil, principalmente após o início da pandemia.

No ano de 2019, a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu o Burnout na lista de Classificação Internacional de Doenças. Uma das principais preocupações dessa síndrome é o seu potencial de acarretar diversos outros transtornos físicos e psicológicos.

Tendo em vista que esse problema está fortemente atrelado ao ambiente de trabalho, é fundamental para as empresas entenderem mais sobre a síndrome. Afinal, existe ou não tratamento para o Burnout? Saiba mais, neste post!

O que é a Síndrome de Burnout?

Para começar, nada melhor do que compreender com detalhes do que se trata a Síndrome de Burnout. Esse é o nome dado à condição de esgotamento mental devido à sobrecarga de tarefas na rotina e excesso de estresse.

A condição foi chamada assim por conta da sensação provocada pela síndrome, como se a mente e o corpo da pessoa fossem realmente entrar em chamas. Alguns dos sintomas físicos, psicológicos e emocionais que o Burnout apresenta são:

  • dificuldade de manter a concentração;
  • humor instável;
  • sensação de cansaço permanente;
  • frustração;
  • fadiga;
  • alterações no sono
  • dores de cabeça;
  • problemas gastrointestinais;
  • aumento da pressão arterial;
  • taquicardia.

Há possibilidade de tratamento para recuperação da síndrome?

Apenas pela descrição da condição e dos sintomas apresentados, é possível notar como a Síndrome de Burnout é capaz de afetar o dia a dia dos pacientes. No ambiente de trabalho, isso resulta em maiores problemas com a equipe, queda na produtividade e aumento do absenteísmo.

Vale ressaltar também que, em grande parte dos pacientes, o Burnout ocorre devido à alta demanda de atividades profissionais. Sendo assim, essa se torna mais uma das doenças ocupacionais mais comuns.

Além disso, quando não tratado, o problema pode evoluir para novas complicações de saúde, como a depressão, ansiedade, hipertensão, doenças gastrointestinais, problemas cardiovasculares, entre outras.

É por esse motivo que o tratamento da Síndrome de Burnout é tão relevante para as empresas, principalmente para o setor de Recursos Humanos. A boa notícia é que existem sim maneiras de lidar com esse problema e fazer com que não afete mais a saúde e o bem-estar dos pacientes.

Levando em conta que a síndrome apresenta diversos sintomas psicológicos em comum com a depressão e a ansiedade, um dos tratamentos mais comuns orientados pelos médicos é o uso de medicamentos, como os antidepressivos. Além disso, a psicoterapia e o repouso, para os períodos de crise, são altamente recomendados.

Qual é o papel do médico nesse processo de tratamento para síndrome de Burnout?

O médico, em especial o psiquiatra, tem um papel essencial no tratamento para Síndrome de Burnout. O tratamento começa pelo diagnóstico, que deve ser realizado por um profissional da saúde especializado na área.

Em seguida, é preciso avaliar todos os contextos em que o paciente está inserido, para confirmar o diagnóstico e identificar o tratamento mais adequado para ele. Por fim, é de responsabilidade do médico fazer o acompanhamento das medidas adotadas, a fim de verificar que os recursos terapêuticos trazem melhoras para o quadro, sem nenhum prejuízo. 

Qual é a relevância do acompanhamento psicológico nesse processo?

O papel do psicólogo no tratamento para Síndrome de Burnout, por sua vez, é ajudar o paciente a entender os fatores que desencadearam esse transtorno, tal como oferecer o apoio necessário para que novas crises não sejam iniciadas.

Identificar os aspectos da rotina que contribuem para o aumento do estresse e que provocam ansiedade no paciente permite encontrar soluções para que esse tipo de problema seja evitado. Desse modo, é possível atuar com prevenção e prolongar os efeitos do tratamento a longo prazo.

Dessa forma, tanto o médico quanto o psicólogo costumam trabalhar em conjunto no tratamento para Burnout. E assim, é possível alcançar resultados mais expressivos e contribuir para a saúde e o bem-estar do paciente.

Como a empresa e o setor de RH podem ajudar esse colaborador?

Como visto, o setor de Recursos Humanos é um dos principais envolvidos em casos de Síndrome de Burnout dentro da empresa. Isso vale tanto para a prevenção quanto para o tratamento, levando em consideração os possíveis fatores que desencadeiam os transtornos emocionais no trabalho.

Para zelar pela saúde e bem-estar do colaborador, é fundamental que o negócio dê a devida importância para essa problemática. Isso permite a criação de jornadas de trabalho mais equilibradas e a delegação de tarefas para evitar a sobrecarga de determinados profissionais.

A atenção ao estado físico e psicológico dos colaboradores também permite uma melhor estratégia interna, a fim de otimizar o clima organizacional. Desse modo, mais funcionários podem se sentir valorizados, contribuindo para um maior engajamento.

Em outras palavras, a preocupação voltada para o bem-estar e a qualidade de vida do trabalhador reflete também em ganhos para a empresa. Com investimentos desse tipo, o negócio pode desfrutar de diversas vantagens, como:

  • diminuição do absenteísmo — menos faltas por conta de problemas de saúde serão necessárias pelos colaboradores quando eles recebem assistência para cuidar melhor do bem-estar;
  • retenção de talentos — empresas que se preocupam com a satisfação dos funcionários se tornam as preferidas para trabalhar;
  • aumento da produtividade interna — profissionais saudáveis e engajados apresentam um maior comprometimento com o rendimento interno;
  • melhora do clima organizacional — a convivência no ambiente de trabalho também se torna mais positiva, a partir do momento que o local gera menos estresse aos envolvidos.

Para garantir todos esses resultados, é fundamental investir em assistência médica e psicológica para os colaboradores. Desse modo, é possível atuar na prevenção e no tratamento para a Síndrome de Burnout, evitando que esse problema afete o desempenho da equipe. Por isso, tenha sempre em mente que apostar no bem-estar dos profissionais é contar também com meios para garantir que a empresa se torne um sucesso.

Este post foi útil para você? Então, continue se informando sobre assuntos relevantes relacionados à saúde. Conheça o guia para implementar a gestão de saúde corporativa em seu negócio.

Panorama sobre os custos da obesidade para o sistema de saúde brasileiro