Tudo o que você precisa saber sobre diabetes

16 de dezembro de 2017

No Brasil, há mais de 13 milhões de pessoas vivendo com diabetes, o que representa 6,9% da população, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes. O quanto você sabe da doença? Como ela surge? Quais os sintomas? Qual o tratamento? Conhece pessoas que têm diabetes? Como ajudá-las?

A diabetes é uma doença crônica que impede o corpo de produzir insulina ou prejudica sua ação correta, provocando um aumento da glicose no sangue. A insulina é o hormônio responsável por controlar a quantidade de açúcar no sangue ao permitir que ele seja penetrado nas células, transformando-se em fonte de energia. Se o pâncreas não consegue produzir a insulina em quantidade suficiente ou se o hormônio não consegue agir adequadamente, ocorre a conhecida hiperglicemia, que pode causar danos em órgãos, vasos sanguíneos e nervos, se o quadro permanecer por longos períodos.


Na página do Facebook da Healthways, nossa enfermeira e coach de saúde, Juliana Espelho, fez uma Live sobre diabetes e tirou as principais dúvidas sobre a doença. Confira os destaques do vídeo:

  • Os principais tipos de diabetes são o tipo 1 e o tipo 2.

Tipo 1: doença autoimune. As células do pâncreas são destruídas pelo nosso próprio organismo. Como são essas células que produzem insulina, automaticamente a pessoa que tem esse tipo de diabetes é insulinodependente. Acomete com maior frequência bebês a adultos jovens.

Tipo 2: está relacionado à predisposição genética. Quanto mais próximo o grau de parentesco dos familiares com diabetes, maior é a chance de se desenvolver a doença. Porém, o tipo 2 pode ser desenvolvido também por maus hábitos de saúde: sedentarismo, obesidade, má alimentação, falta de exercícios físicos.

  • A doença pode ser assintomática, ou seja, não possui sintomas. Entretanto, quando há sintomas, tanto a hiperglicemia quanto a hipoglicemia podem ter sinais parecidos.
  • Principais sintomas: polidpsia, polifagia e poliuri (muita fome, muita sede e muita urina). Apesar de ter glicose em excesso no organismo, ela não é absorvida pelas células da energia, logo o organismo entende que é necessário comer mais e a sensação de fome aumenta. O rim tenta filtrar o excesso de açúcar no sangue, aumentando a necessidade de urinar. Além disso, há também sensação de cansaço, uma vez que a energia não está sendo absorvida pela célula.
  • O sobrepeso associado com o aumento das triglicérides (gorduras acumuladas no corpo) pode aumentar o risco de diabetes ou piorar os sintomas da doença, pois é um fator de predisposição que aumenta a resistência da insulina.
  • A diabetes não tem cura, é uma doença crônica. Entretanto, ela pode ser controlada, permitindo uma boa qualidade de vida, desde que a pessoa consiga administrar as taxas de açúcar no organismo. No caso do tipo 1, a insulina é a única forma de tratamento. No tipo 2, a primeira opção de remédios costuma ser hipoglicemiantes, antes da busca pela insulina.
  • Além dos medicamentos, a doença também pode ser controlada por meio de hábitos saudáveis de vida: prática de exercícios, alimentação regular e saudável, diminuição do consumo de carboidratos refinados, como arroz, batata, macarrão, pão e farináceos em geral.

Ingestão de doces causa diabetes: mito ou verdade?

Mito. Não é apenas o açúcar que provoca o aumento da glicemia e causa a diabetes. Os alimentos em geral, como os carboidratos, aumentam também a resistência da absorção da insulina, principalmente no caso de quem está com sobrepeso.

Dicas alimentares:

  • Evitar o consumo de doces e de carboidratos refinados.
  • Dar preferência para carboidratos integrais e para aqueles que têm fibras em sua composição, pois são importantes para ajudar no metabolismo da glicose.
  • Evitar consumir mais de três frutas de uma vez. O ideal é que seja no máximo três por dia em intervalos espaçados.
  • Evitar frutas maduras. Optar pelas frutas menos adocicadas. Por exemplo, trocar uma banana nanica por uma banana prata ou banana maçã.
  • Evitar suco de frutas.
  • Adotar o fracionamento alimentar: comer a cada três horas.