Por que e como promover o Dia da Não Violência na empresa?

28 de janeiro de 2022

No dia 30 de Janeiro, é comemorado o Dia da Não Violência. A data nos convida a pensar sobre a cultura da paz, a violência no dia a dia e a relação do tema com a saúde mental, sendo de grande importância para nossa sociedade. No ambiente corporativo, não poderia ser diferente. O RH deve aproveitar para conscientizar os funcionários, informando-os sobre o tema e propondo reflexões.

Na verdade, essas pautas devem ser mantidas o ano inteiro, pois fazem toda a diferença para o sucesso de uma empresa. Para entender do que se trata a Não Violência, qual a sua importância e como abordá-la na companhia, é só continuar a leitura. Trouxemos dicas valiosas e sugestões para você!

O que é o dia da Não Violência?

A Não Violência é celebrada no dia 30 de Janeiro, em homenagem ao líder Mahatma Gandhi, que foi assassinado nessa data, em 1948. Ele foi um dos maiores responsáveis pela cultura da paz, lutando por liberdade, respeito e direitos humanos sem recorrer a agressões físicas ou a comunicação hostil.

Sua conduta nos ensina que ser pacífico é diferente de ser passivo. Por meio de práticas como os protestos silenciosos, os diálogos e as manifestações não violentas, o líder deu grandes passos em direção à justiça, inclusive alcançando a independência do país junto ao seu povo. 

A Não Violência nos mostra que há outras maneiras — mais saudáveis e equilibradas — de alcançar objetivos, lidar com dificuldades e conduzir nossas relações. Assim, esse dia nos convida a refletir e a encontrar novas formas de ver a vida, construindo bons caminhos para o futuro.

Qual é a importância de debater a Não Violência?

Em um primeiro momento, a Não Violência foi associada a não utilização de agressões físicas para tratar questões políticas e sociais. Isso se aplica às demandas de um país ou a conflitos entre nações, por exemplo, chegando a acordos de forma pacífica e com menores danos. 

É possível, porém, trazer o conceito para o dia a dia: a violência atualmente está presente em todos os âmbitos, seja em ações grandiosas ou em microagressões. Em nossas interações sociais, no trabalho, no trânsito ou mesmo no ambiente doméstico, estamos constantemente ferindo aos outros e a nós mesmos. 

Pensamentos de impotência, insultos e ofensas verbais, mentiras e comentários desrespeitosos são alguns dos atos que cometemos, sem ao menos lembrar que existem outros caminhos. Nos mantemos nesses padrões e em todos os danos causados, criando relações tóxicas, afetando nossa saúde e limitando nosso potencial.

Discutir a Não Violência, portanto, é o começo da conscientização. Ao buscar novas possibilidades, desenvolvemos a inteligência emocional, ampliamos o pensamento e transformamos comportamentos, abrindo portas para uma sociedade mais harmoniosa e saudável.

Quais os impactos de trabalhar a Não Violência na empresa?

A empresa é um local onde várias personalidades se encontram, sendo inevitáveis os atritos e questões conflituosas. Caso isso não seja bem trabalhado, os problemas se ampliarão, criando um clima hostil e afetando a saúde mental dos colaboradores. Assim, o negócio perde em produtividade, engajamento e retenção de talentos.

A empresa deve criar políticas claras quanto à Não Violência, inclusive para combater o preconceito e preservar a integridade de todos. Isso é essencial para um bom fluxo de trabalho, assim como para uma rotina com bem-estar. Uma comunicação interna saudável, boas práticas de feedback e estratégias para lidar com conflitos são algumas das áreas em que o tema se encaixa.

Quando o conceito é discutido e praticado no dia a dia, seu negócio tem vantagens como:

  • melhoria do ambiente interno, pois líderes e funcionários aprendem a lidar com conflitos de formas mais saudáveis. Isso torna a empresa um local mais atrativo e agradável de se trabalhar;
  • aumento da cooperação e da empatia, já que o tema incentiva o acolhimento e a compreensão, tanto de si quanto dos outros. Assim, até o trabalho em equipe é otimizado;
  • melhoria da saúde mental no trabalho, já que há mais tranquilidade na convivência e nas relações. 

De um modo geral, sua empresa passa a ser mais precisa e criativa, pois as pessoas se sentem à vontade para propor e compartilhar ideias. A Não Violência não leva à submissão, mas a ações mais maduras e soluções eficientes.

Como abordar a Não Violência na sua empresa?

Como já comentamos, esse conceito deve estar presente em suas políticas e cultura empresarial, sendo parte da companhia a todo tempo. Porém, existem formas de destacar o assunto e trazer novas reflexões, comemorando o Dia da Não Violência. Confira a seguir algumas dicas interessantes!

Promova palestras online

Que tal contar com especialistas para falar sobre o assunto? Você pode convidar psicólogos para tratar da importância desse conceito para a saúde mental, por exemplo. As palestras online são um meio prático e fácil de levar conhecimento aos funcionários, tendo um bom custo-benefício e se adaptando melhor à rotina. Elas podem ficar gravadas para serem revisitadas ou assistidas na melhor hora.

Eventos de debate

Aqui, você pode contar com mais de um profissional para tratar sobre o tema, discutindo questões afins e convidando os funcionários a opinar. Assim, cria-se um momento de aprendizado e interação, que também pode ser feito com o apoio da tecnologia

Divulgação de materiais de conscientização

Essa é uma boa ideia para chamar a atenção e despertar o interesse, deixando todos informados sobre o Dia da Não Violência. Crie materiais sobre o assunto, explicando a origem da data e o que o conceito aborda, por exemplo. Em seguida, distribua-os por meio de brindes, panfletos ou e-mails, alertando para a importância de se informar.

O Dia da Não Violência é um ótimo aliado para o Janeiro Branco, que visa conscientizar quanto a questões de saúde mental. Para alcançar resultados satisfatórios, porém, vale lembrar mais uma vez que o RH deve se envolver nessas pautas o ano todo, trazendo melhores condições para a empresa.

Esperamos que tenha gostado do artigo! Não se esqueça de nos seguir no LinkedIn, para mais dicas e oportunidades de promover a conscientização.

Panorama sobre os custos da obesidade para o sistema de saúde brasileiro